Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Moscovis mergulha no universo infantil

Eduardo Moscovis estreia peça infantil em São Paulo e fala da importância da paternidade na construção de seu personagem no espetáculo em entrevista à CARAS Online

Redação Publicado em 24/09/2011, às 21h28 - Atualizado em 08/08/2019, às 15h43

Eduardo Moscovis estrela peça 'O Menino que Vendia Palavras' - Manuela Scarpa/Photo Rio News e Celso Akin / AgNews
Eduardo Moscovis estrela peça 'O Menino que Vendia Palavras' - Manuela Scarpa/Photo Rio News e Celso Akin / AgNews

Após temporada (bem sucedida) no Rio de Janeiro e em Belo Horizonte, Eduardo Moscovis (43) traz a São Paulo a peça O Menino que Vendia Palavras, cuja estreia aconteceu na tarde deste sábado, 24, no Teatro Frei Caneca, na capital paulista. O espetáculo, que permanece em cartaz até 20 de novembro, é baseado em livro homônimo de Ignácio de Loyola Brandão (75) e conta a história de um garoto (vivido pelo ator Pablo Sanábio) e seu encantamento pelo mundo do significado das palavras.

Pai de Sofia (10), Gabriela (12) (frutos de seu relacionamento com a produtora Roberta Richards) e Manoela (4), sua filha com Cynthia Howlett (34), que está grávida de três meses do terceiro filho do ator, Moscovis contou em entrevista à CARAS Online que seu lado paterno o ajudou muito na construção do personagem – um zeloso pai, muito culto e inteligente, que incentiva o filho a se familiarizar mais com as palavras. “Ele é um pai muito próximo, daqueles que estimulam a curiosidade do filho. Ao mesmo tempo, é um cara bem verdadeiro. O filho pensa que ele sabe de tudo e quando ele diz não conhecer o significado de uma palavra, mostra o quanto verdadeiro ele é”, definiu, enumerando as qualidades que tenta demonstrar em sua casa e na convivência com os filhos.

“Meu envolvimento com esse universo infantil já existe há algum tempo. Eu tenho filhos, já habito esse mundo e também assisti a muitas peças infantis. Ter filhos foi um ponto de partida, meio caminho andado. Uma determinante para que o espetáculo tivesse um leque de interesses bem aberto”, contou.

Moscovis ainda dá vida a um segundo personagem, João Perneta, que faz parte a turma de amiguinhos do garoto-protagonista da peça. “O João funciona quase como um antagonista. Ele está sempre colocando o personagem principal contra a parede ou tentando desmascarar o pai do menino”.

O Menino que Vendia Palavras traz ainda em seu elenco Letícia Colin, Renato Linhares, Luciana Froés e Raquel Rocha.

Para todas as idades

Durante os ensaios do espetáculo, Eduardo Moscovis, juntamente com o elenco, chegou a conclusão de que a peça não teria uma definição que pudesse ser encaixada em uma faixa etária específica.

“É um espetáculo que consegue se comunicar com crianças menores, de 3 a 4 anos, e também com um público de 6 a 7 anos que está se alfabetizando e já entende um pouco de nossas brincadeiras”, explicou. “Os próprios pais também se divertem”.

A peça conta com recursos que enriquecem ainda mais o universo lúdico apresentado no palco. O Menino que Vendia Palavras é feito com muitas cores, pinturas, retro projeções e até mesmo teatro de sombra. A interatividade entre atores e plateia também garante o divertimento. “A história é contada através de muitas brincadeiras e jogos com o público. No início, era para ser algo só entre a gente [elenco] mas, fomos percebendo que a plateia sempre se manifestava, e não precisamos fazer nenhuma força para ter essa participação, simplesmente o público se sente estimulado. É ótimo, uma delícia”, concluiu.

“Me dedico ao máximo”

Moscovis aguarda com muita ansiedade a chegada do quarto filho. “É muita expectativa; expectativa boa, lógico”, comentou. Grávida de três meses, Cynthia Howlett  ainda não sabe o sexo do bebê e, por isso, o casal ainda não conversou sobre possíveis nomes para a criança.

Em casa com a pequena Manoela, primeira filha de seu atual casamento, o ator se definiu como um paizão daqueles, que faz questão de auxiliar na criação dos herdeiros ao lado da mãe. “Eu participo sempre que posso e me dedico ao máximo”, acrescentou.