Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS
Revista / Agora é Moda

VICTORIA ABRIL

Bangalô 5

by Luiz F. Grabowsky Publicado em 24/12/2008, às 18h17

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
É difícil saber se são os filmes de Pedro Almodóvar (57) que combinam com a atriz Victoria Abril (49) ou o contrário. Extrovertida, colorida e cativante, a musa do cineasta espanhol conheceu a Ilha de CARAS em 2006 e deixou a sua marca. Coube então a Luiz Fernando Grabowsky (49) interpretar o jeito da atriz no bangalô 5. "Foi ótimo porque eu ando mesmo na contramão do estilo clean, que opta por poucos enfeites e valoriza cores neutras. Gosto de tornar a casa mais aconchegante e menos pasteurizada. Por isso sou a favor da busca da personalidade. Procuro na pessoa uma coisa que ela curta, que tenha a sua cara. Sou contra viver num ambiente artificial, criado só por mim. Eu não sou a pessoa que vai habitar aquele lugar", desbafou Grabowsky. Na visão do arquiteto, o bangalô pode ser resumido em uma única palavra: divertido. Grabowsky não economizou na combinação de roxo e verde que inunda as paredes e nem mesmo na confecção das cortinas, em linho branco com uma grossa barra inferior colorida. A sala é uma mistura de objetos diversos, como um cachorro esculpido em madeira, uma vaca-cofre colorida e uma inusitada estrela roxa flocada. O quarto reserva uma surpresa a mais. A parede atrás das camas ganhou azulejos da linha Porcellanato Beton Transit Metalic, da Eliane, dando o efeito de que foi forrada por metal. No centro, um tapete artesanal feito com retalhos de malha de 2m55 por 2m15 forma uma grande cabeceira, que vai do chão ao teto. "O bacana é que encomendei esse trabalho a uma artesã que vende produtos na estrada Rio-Petrópolis. A idéia é contrapor e mostrar que o interessante é a brincadeira do comum com o inusitado, por isso pus na parede oposta um quadro de touro do artista francês Zaven, que remete à Espanha", contou o arquiteto. "Não botei nada no meio das camas para dar a opção de serem unidas. Se os hóspedes forem solteiros e quiserem juntá-las, no outro dia de manhã, antes que alguém veja, basta separar as camas de novo. Nem a arrumadeira vai perceber. Em um ambiente baseado em Victoria e Almodóvar, não pode haver censura", brincou ele.