revista Abre

Reflexões e ideias musicais de Karinah

Ao lado da família, musa do samba revela próximos lançamentos

Tainá Goulart Publicado sexta 26 junho, 2020

Ao lado da família, musa do samba revela próximos lançamentos
A sambista Karinah mergulha em suas referências artísticas e fica perto da natureza no Balneário Barra do Sul, em Santa Catarina - Fernando Willadino


Da poluição sonora ao barulho dos pássaros ao acordar. Da correria de Balneário Camboriú, cidade turística famosa de Santa Catarina, para a calma do interior, no Balneário Barra do Sul, na região norte do estado. Essa foi a escolha da cantora Karinah (39) no começo da quarentena, ao se mudar com o marido, o empresário Diether Werninghaus (63), os gêmeos do casal, Gerd e Lilian (2), e com os filhos Carlos Eduardo (23) e Sarah (17), de relacionamentos anteriores, para se isolar com qualidade de vida. “Estamos à beira de uma lagoa, com uma tranquilidade indescritível, os bichos ao nosso redor e uma rotina diária que traz um bem emocional para todos nós”, conta ela, atual expoente do universo do samba e do pagode. “Foi uma das mais importantes decisões para a nossa saúde”.

Mesmo antes do isolamento, Karinah revela que sempre dava um ‘jeitinho’ de manter a família por perto, afinal, para ela, é sua maior força. “No entanto, com essa proximidade intensa, eu vejo que estamos nos entendendo e conhecendo mais. Estou vendo os desafios do meu mais velho na faculdade, conversando com a Sarah e, claro, me divertindo com os pequenos”, diz. Em casa, as atividades não faltam, mas, para ela, há um momento “solo”, em que o foco é em sua saúde corporal. “Cada um tem suas coisas para fazer. Eu mantenho meu treinamento com um personal trainer e até atendimento com a minha dermatologista, que está no Rio de Janeiro, para tratar da pele, e com o meu cabeleireiro, mas tudo virtualmente. Nunca imaginei que teríamos essa facilidade”, diz ela, que tem uma horta em casa. “Temos de tudo e estamos cozinhando bastante, então a alimentação também está natural.

Além das reflexões sobre a vida, a cantora está revendo alguns pontos da carreira de quase dez anos dentro do samba e do pagode. “Se for analisar, estou trabalhando mais em casa do que se estivesse na estrada”, brinca. “Para planejarmos o ano, pensamos em tudo, e aí chega uma pandemia. Você é obrigada a ser flexível, para entender o momento, a gravidade dele e ir se adequando. Nas duas primeiras semanas de quarentena, eu e minha equipe ficamos meio embolados, mas depois tudo se acertou”, conta. Por causa da pandemia da Covid-19, Karinah está adiantando alguns lançamentos musicais, algumas parcerias e investindo muito em lives. “O nosso foco virou totalmente para o on-line, nas lives, que dão a oportunidade para que outras pessoas assistam ao nosso trabalho. Se pensar, até contratantes também podem estar vendo e quem sabe algumas oportunidades não surjam?”, conta ela, que tem como grandes inspirações nomes como Clara Nunes (1942–1983), Alcione (72) e Ivete Sangalo (48). “Se hoje o mundo do pagode e do samba ainda é muito machista, imagina na época da Clara Nunes, da Beth Carvalho, da Alcione? Elas são exemplo de coragem e de que continuar, persistir, vale o esforço. Hoje, ainda existem ambientes que não dão valor ao trabalho da mulher dentro da música, mas isso não me intimida. A Ivete é uma inspiração, pois ela sabe exatamente o que quer e faz muito bem todos os papéis dentro da carreira dela.

Sobre o futuro, além de continuar cantando e dividindo o palco com nomes como Martinho da Vila (82), Péricles (51) e Mumuzinho (36), Karinah espera lançar seu disco no fim do ano. “Manter uma carreira, seja ela qual for, é uma luta todos os dias. Precisamos estar presentes para ver o caminho certo a seguir. Estou com saudade de uma boa roda de samba Vai ser uma das primeiras coisas que farei quando puder sair!”, decreta.

Último acesso: 11 Jul 2020 - 01:52:20 (355292).