Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

É para se sentir mais desejados que os homens frustram as mulheres

CARAS Publicado em 14/08/2013, às 16h14 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

.
.

Tem sido frequente, no consultório e em conversas entre mulheres, a queixa de que os homens parecem sempre muito insatisfeitos em seus relacionamentos, de que estão constantemente reclamando de suas mulheres, mesmo que não manifestem a intenção de se separar. “Ele se queixa de tudo”, diz uma. “Parece não gostar de nada que eu faço”, lamenta-se outra. “Não sei o que espera de mim”, desespera-se uma terceira.

Estamos falando aqui de necessidades e expectativas, de homens e de mulheres, em relações amorosas. Não é coisa simples, como você sabe. A alma masculina é uma, a alma feminina é outra. Isso não é novidade.
Está tanto nos livros de autoajuda, como nos manuais de Psicologia, de Biologia, nos estudos de mitologia. Partamos  dessa noção básica para tentar entender o que faz com que os homens levem suas mulheres a se sentir tão frustradas.

As mulheres buscam nos homens alguém que as complete, que preencha todos os seus “vazios” e que as ame, incondicionalmente, claro, e com exclusividade! O desejo feminino tem essa cara: “Preciso dele pra me sentir completa”(“ele”, no caso, pode ser o homem, o casamento, a casa, os filhos, quando existem). Não por acaso, diante de uma gravidez a mulher desfruta de um sentimento de completude. Parece que durante a gestação não precisa de mais nada, nada lhe falta. O filho a completa.

E o que dizer do desejo masculino? Ele opera como o feminino? Tudo indica que não. Os homens não parecem buscar nas mulheres alguém que os complete. O que desejam não é outra coisa senão ser “a razão” da vida delas. Nesse sentido, põem-se na posição de objeto: o objeto do desejo delas. Eles querem completá-las. 

Ora, se as mulheres desejam que os homens as completem e os homens, por sua vez, desejam completar suas mulheres, tudo tende a dar certo, não? Nem sempre. O resultado dessa equação simples às vezes é problemático. 

Isso porque o homem, diante da possibilidade de realizar o desejo de completude da sua mulher — os seguidores do psicanalista Jacques Lacan (1901-1981) diriam: “ser o seu falo” —, se exaspera. Nas sessões de terapia eles dizem coisas como: “Não aguento mais ser tudo para ela, é muito pesado para mim”; “estou a ponto de estourar com tantas cobranças!”. Eles querem ser tudo para elas, mas não aguentam. É muita
responsabilidade. E parece ser esse horror que os homens sentem diante da realização de seu próprio desejo que os conduz, inconscientemente, a frustrar suas mulheres de forma repetida.

Sabe por quê? Porque, ao frustrar sua mulher, o homem alimenta o desejo que ela tem de ser um único ser, completo, junto com ele. A frustração desse desejo faz o sentimento da falta crescer e, quanto mais falta ela sente, mais o deseja. Em outros termos, para se sentir mais desejado, ele frustra. 

Esse mecanismo, que parece maldoso, é apenas natural para eles. Para elas, porém, a consequência às vezes é cruel, porque se sentem permanentemente criticadas, rejeitadas, censuradas. Por isso é importante as mulheres ficarem alertas ao risco que correm quando projetam no parceiro todo o sentido da vida. Elas se sentiriam melhor se pudessem encarálo como uma peça — importante, mas só uma peça — no mosaico que compõe sua existência. Ser tudo é demais para eles. E também para elas.