Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS
Revista / Veja Também

O coração maduro e feliz de Karina Bacchi

A bela vive momento dedicado à carreira e sem pressa de encontrar nova paixão

Redação Publicado em 02/08/2010, às 13h14 - Atualizado em 07/06/2012, às 23h25

Amante da natureza e de praia, Karina curte clima bucólico na Ilha Caras, no RJ. - Beleza: Dhu / Produção: Cláudio Lobato / Agradecimento: Martha Medeiros / Fotos: Selmy Yassuda
Amante da natureza e de praia, Karina curte clima bucólico na Ilha Caras, no RJ. - Beleza: Dhu / Produção: Cláudio Lobato / Agradecimento: Martha Medeiros / Fotos: Selmy Yassuda
Após relaxante temporada de dois meses na península ibérica,onde visitou as históricas cidades portuguesas de Guimarães, Porto e Fátima, a região litorânea do Algarve, além da capital espanhola, a agitada Madri, Karina Bacchi (33) volta ao Brasil com as energias renovadas e pronta para encarar novos desafios. "Cada lugar que passei tem cultura, história e encanto únicos. Aproveitei para fazer um curso de espanhol e já penso em comprar um imóvel na Europa para passeios e férias com a família", revela a paulista, na Ilha de Caras, em Angra dos Reis, Rio de Janeiro. Quando o assunto é o amor, Karina define como maduro o momento que vive. "Meu coração aprendeu a esperar e acreditar que o amor recíproco e verdadeiro é um dos melhores presentes da vida. Eu me precipitei na última relação e isso serviu de lição para eu ser mais tranquila", conta ela, solteira há um ano e meio desde o fim de breve noivado com o empresário turco radicado em Miami Yalin Bilgin (31). De férias da TV, ela cala sobre novo rumo na carreira. "Permaneço na Record e estou confiante com essa parceria. Devo ter novidades ainda este ano", adianta a vencedora do reality show A Fazenda 2, da emissora. "Eu me considero realizada e estou feliz com o que conquistei, mas ainda tenho muito a alcançar. Se temos planos, a vida ganha entusiasmo", completa ela, no showbiz desde os quatro anos, quando estreou como modelo. Conforme prometido, Karina segue destinando o prêmio de um milhão de reais, da vitória no reality, a causas sociais, em especial, à ONG Florescer, presidida por sua mãe, Nádia Bacchi (59). "O dinheiro veio em boa hora e com destino certo. Para fazer o que gosto, como viajar e comprar minhas coisas, continuo batalhando e poupando, como sempre fiz. A gente precisa valorizar o que recebe e tenho os pés no chão". Apaixonada por crianças, ela explica que sua meta é aumentar as instalações da ONG, localizada na comunidade de Paraisópolis, em São Paulo, para oferecer novos cursos e atender à demanda de jovens carentes. No amor, segue à espera do grande encontro. - Sente falta de um relacionamento amoroso? - Eu gosto de ter uma companhia, sou muito romântica e sempre tive namoros longos. Ter alguém por perto é bom, mas tem de valer a pena. Costumo dizer que namorar é fácil, mas não estou a procura de um namorado, mas sim de um amor verdadeiro. Meu coração nunca está fechado, pois se o fecharmos, morremos. Mas acho que tudo tem de ocorrer de forma natural. - O que valoriza na relação? - A sensibilidade e o fato dessa pessoa dar valor à espiritualidade e à família, além do respeito recíproco e da cumplicidade. - Construir uma família faz parte de seus planos? - Casar e ter filhos são uns dos meus objetivos de vida, mas o principal é que essa família seja fruto de um amor mútuo. - O seu retorno à TV será como apresentadora ou atriz? - Meu contrato é para trabalhar como apresentadora e esse foi um caminho que defini para mim há mais ou menos dois anos. Não tenho pretensão de atuar como atriz. - Quais as principais mudanças ao longo de sua carreira? - Estou em um aprendizado constante, mas o que mais mudou foi a percepção de que as escolhas profissionais devem ser sempre muito bem pensadas e com cautela. Além disso, desenvolvi a noção de que, como pessoa pública, sou exemplo para outras pessoas. - Do que sente saudades? - Não sou uma pessoa que vive de saudades. Valorizo tudo o que vivi, mas sempre estou mais focada no presente que no passado. A saudade dá o seu sinal quando estou distante da família. É amor. - Você adora viajar. Já tem plano para as próximas férias? - Ainda não sei o próximo destino, mas como viajar é um dos meus maiores prazeres, com certeza não demorará muito para eu definir. Marrocos, Grécia e Jerusalém fazem parte dos meus planos. - Qual a viagem inesquecível? - Felizmente tenho muitas viagens inesquecíveis na memória e não é só lugar que torna o passeio especial, mas a companhia. Na maioria das vezes estive com pessoas que amo, família e amigos. - O que faz para manter a sua ótima forma? - Acredito que o principal é ter uma vida saudável. Não bebo nada com álcool, não fumo, durmo cedo e procuro fazer atividades físicas. Sou um pouco preguiçosa, então tento optar por coisas que me fazem bem, como a dança. O importante é manter o corpo em movimento. Gosto também de fazer drenagem linfática e massagens relaxantes, que ajudam a me deixar mais serena. - Você tem um lado zen? - Desde os 15 anos faço yoga e isso ajuda a manter o equilíbrio. Não gosto de dizer que me deixa zen, porque considero zen pessoas tranqüilas demais. Tenho tranqüilidade nos momentos certos, mas também tenho muita energia para conquistar o que quero. Encontrar um ponto de equilíbrio é a melhor forma de ter autocontrole. - A alimentação é especial? - Durante 15 anos fui vegetariana. Há pouco tempo voltei a comer carne branca. Abusei dos doces enquanto estava participando do reality show, mas aos poucos retomo a minha rotina 'natureba'. No período em que fiquei confinada até me arrisquei na cozinha, fazendo bolos e doces. Mas agora passo longe dessa área. (risos) - Participar de um reality show foi um aprendizado? - Quando me convidaram, eu vivia momento de reflexão, fazendo descobertas pessoais. Aceitei também por querer confirmar se alguns destes valores, como a importância da proximidade da família, estavam certos. Estavam. Foi uma das experiências mais desafiadoras da minha vida. O programa faz um 'zoom' na alma; passamos por picos emocionais e somos levados ao extremo da alegria e da tristeza. Não quis nada de mão beijada, mas por merecimento.