Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARAS

Vera Simão: detalhes do casamento real

A cerimonialista Vera Simão, presidente da Abrafesta, está antenada com tudo relacionado ao casamento real

Redação Publicado em 28/04/2011, às 18h58 - Atualizado às 19h08

Príncipe William e Kate - Reprodução
Príncipe William e Kate - Reprodução
A cerimonialista Vera Simão, presidente da Abrafesta (Associação dos Profissionais, Serviços para Casamento e Eventos Sociais), é uma expert em cerimoniais e, nas últimas semanas, está antenada com tudo relacionado ao casamento do príncipe William com Kate Middleton. Ela diz que a cerimônia segue os mesmos protocolos reais vistos, por exemplo, no casamento da princesa Diana e do príncipe Charles, a não ser por uma novidade: a noiva chegará de carro, não de carruagem, do modelo Rolls Royce. "Alguns estudiosos da realeza dizem que a mudança é porque o casal quer imprimir um estilo mais informal. Já uma outra vertente afirma que é uma quebra de protocolo", explica Vera. Segundo ela, a mudança pode ter acontecido pela origem plebeia de Kate. "Diana era filha de conde, então era diferente.". As músicas da cerimônia mudam a cada casamento real porque são escolhidas pelos próprios noivos. "No casamento do príncipe William, todas são de compositores ingleses, com exceção de Fantasia in G (Piece d'orgue a 5), de Johann Sebastian Bach, que era alemão." Vera explica ainda que os dois ex-primeiros-ministros Tony Blair e Gordon Brown não teriam sido convidados, ao contrário de Margaret Thatcher, por não terem recebido a Ordem da Jarreteira, uma comenda do sistema honorífico do Reino Unido. Segundo a cerimonialista, o mundo inteiro estará voltado para Kate: "As pessoas querem ver o vestido, o buquê. Quem tem a maior visibilidade é a noiva". Uma curiosidade explicada por Vera é que deve haver pelo menos duas versões do buquê, para evitar o que aconteceu no casamento da rainha Elizabeth II, que perdeu o seu durante a cerimônia. "A princesa Diana usou três buquês iguais, em três momentos do casamento, o que também garante o viço das flores", revela. Ela também conta que é tradição que nos buquês haja folhas e flores de murta, algo que vem desde a época da rainha Vitória (1819-1901). "Ela plantou murta no seu jardim e a usou no seu buquê. Desde a época dos hebreus, a planta é símbolo de casamento." E, diferentemente dos casamentos "normais", a noiva não joga o buquê para as mulheres presentes na cerimônia. Kate o depositará no túmulo do soldado desconhecido.