Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS
Realeza / Polêmica

Gastos na reforma da mansão do Príncipe Harry e Meghan Markle geram revolta nos britânicos

Os gastos da reforma na casa de Harry e Meghan geraram revolta entre o povo britânico: ''Corrupção sendo encoberta''

CARAS Digital Publicado em 27/06/2019, às 14h24 - Atualizado às 16h19

Príncipe Harry e Meghan Markle - Reprodução/Instagram
Príncipe Harry e Meghan Markle - Reprodução/Instagram

No começo deste ano, Príncipe Harry e Meghan Markle se mudaram para uma casa em Frogmore Cottage, em Windsor, onde o filho Archie poderia crescer em um novo lar. Porém, o gasto que isso causou deixou a população britânica bem revoltada.

Os custos da reforma foram divulgados no Sovereign Grant, um relatório de gastos anuais da família real. Neste relatório informou que o casal fez uma reforma completa que acabou custando 2,4 milhões de libras (cerca de 11,6 milhões de reais), que vem de impostos pagos pela população do Reino Unido que começou a pedir uma investigação do dinheiro usado por eles.

De acordo a CNN, os milhões de libras foram usados para a remoção de uma chaminé, retoques no teto, adição de escadas e instalação de lareiras na casa.

Em frente ao Palácio de Buckingham, Sir Michael Stevens, guardião da Bolsa Privada, justificou, segundo a revista 'People', que "A propriedade não tinha sido alvo de trabalhos por alguns anos e já estava nos planos para renovação por causa de nossa responsabilidade em manter as boas condições dos Palácios Reais em ocupação".

Ele acrescentou dizendo que "O relatório cobre o trabalho feito para tornar a propriedade na residência oficial e lar do duque e duquesa de Sussex e sua nova família. Ela voltou a ser uma única residência (antes, a casa havia sido dividida em cinco apartamentos) e sua infraestrutura ultrapassada foi substituída para garantir o futuro a longo prazo da propriedade”.

Mesmo 'justificado', o líder do grupo antimonarquista Republic, Graham Smith, considerou os gastos milionários exorbitantes e pediu que houvessem uma investigação do Parlamento Britânico. Em uma nota divulgada no site da organização ele escreveu “Se pelo menos uma escola ou hospital estiver enfrentando cortes, não dá para justificar nem um centavo gasto com a realeza. Ainda assim, mesmo com todos os serviços públicos sob intensa pressão financeira, nós gastamos 2,4 milhões de libras em uma casa nova para o Harry. Isso é corrupção sendo encoberta”.

Além de tudo isso, no relatório também contém outros números de gastos que o casal teve com o dinheiro dos impostos como, em 2018, 103 mil dólares para a viagem oficial à Austrália, Nova Zelândia, Tonga e Fiji; o príncipe gastou 29 mil dólares de voos particulares para visitar os fuzileiros navais reais na Noruega; e a primeira aparição da duquesa sozinha com a rainha custou 38 mil dólares.