novelas Começa hoje!

Cinco motivos para não perder a reprise de 'A Força do Querer'

Sucesso da Globo, 'A Força do Querer' volta ao ar em edição especial

Felipe Gatto Publicado segunda 21 setembro, 2020

Sucesso da Globo, 'A Força do Querer' volta ao ar em edição especial
Paolla Oliveira, Isis Valverde e Juliana Paes estrelam trama de Glória Perez - Divulgação/TV Globo

A novela A Força do Querer, originalmente exibida no ano de 2017, foi escolhida pela direção da TV Globo para substituir Fina Estampa no horário nobre.

De volta para a telinha a partir desta segunda-feira, 21, a trama escrita por Glória Perez fez bastante sucesso e repercutiu muito em sua primeira vez no ar.

Com um trio de protagonistas poderoso, formado por Juliana Paes, Paolla Oliveira e Isis Valverde, além de um elenco de apoio tão brilhante como elas, o folhetim acertou não só na escalação dos atores, bem como na seleção dos temas a serem abordados na história.

Apesar de ainda estar um quanto quanto presente na memória televisiva de boa parte do público, rever A Força do Querer pode ser um programão enquanto as obras inéditas não voltam a ser produzidas.

Por isso, confira abaixo os cinco motivos pelos quais a novela merece ser acompanhada diariamente, e já se prepare para o retorno triunfal de Bibi, Jeiza e Ritinha!

A Força do Querer

1. Protagonistas

Não teve para ninguém! A escolha de Juliana Paes (Bibi), Paolla Oliveira (Jeiza) e Isis Valverde (Ritinha) caiu literalmente como uma luva não só para as atrizes prenderem a atenção dos telespectadores o tempo todo, mas também para mostrarem todo o potencial delas na pele de mulheres destemidas e cheias de nuances. Não teve como não amar/odiar/ e se emocionar com a trajetória de Bibi, que viveu do auge a derrocada em nome do amor. Jeiza também atraiu muitos olhares como uma policial extremamente honesta e forte em prol da sua missão honrosa de defesa ao cidadão de bem. Por fim, a perigosa ingenuidade e o feitiço provocados pela "sereia" Ritinha fizeram a personagem encantar e dominar o seu núcleo como uma empoderada mulher que amava a si mesmo antes de mais nada.

A Força do Querer

2. Transição de gênero

Dentre uma gama de assuntos que serviram de pano de fundo para a obra das 21 horas, a transição de gênero foi narrada com maestria pela autora Glória Perez. Com a bela direção de Pedro Vasconcelos e a atuação comovente e visceral da estreante Carol Duarte, o público de casa acompanhou diariamente a transformação da personagem Ivana em Ivan, de uma forma extremamente delicada. Não teve como não derramar lágrimas com o dilema da jovem que não se adequava ao próprio gênero, bem como o envolvimento dos seus familiares nesse processo tão minucioso. Trabalho impecável de toda a equipe!

A Força do Querer

3. Elenco secundário brilhante

Apesar do trio de protagonistas roubar a cena todas as vezes em que estava no ar, vários atores também puderam se destacar no folhetim que deu espaço para muita gente esbanjar talento, como foi o caso de Maria Fernanda Cândido (Joyce) que emocionou em suas dobradinhas com Carol Duarte, e do mocinho/vilão Rubinho, incrivelmente feito por Emílio Dantas. A falsa amiga vivida por Débora Falabella (Irene); a prima compreensiva de Juliana Paiva (Simone); o motorista/draq vividos por Silvero Pereira (Nonato/Elis Miranda); o mocinho marrento de Marco Pigossi (Zeca) e o machista de Humberto Martins (Eurico) foram outros que fizeram muito bonito. Vale ainda citar os trabalhos bem construídos de Elizângela (Aurora), Lilia Cabral (Silvana) e Dan Stulbach (Eugênio).

A Força do Querer

4. Temas polêmicos

Para fazer as protagonistas brilharem e cativarem o público com histórias tão distintas, mas ao mesmo tempo, interligadas entre si, Glória Perez caprichou na escolha dos temas e não teve medo em falar da glamourização do crime, ou de mostrar o lado perverso e sujo de alguns membros da polícia. A cultura do Pará, o vício em jogos, a homofobia e a já citada transição de gênero também foram destaques no folhetim que repercutiu muito nas redes sociais e virou assunto em inúmeras rodinhas de conversas espalhadas pelo país.

A Força do Querer

5. Bom humor

Apesar de trazer à tona assuntos um tanto quanto espinhosos para a casa de milhares de telespectadores, A Força do Querer também divertiu e fez muita gente rir. Com um núcleo vindo diretamente do interior do Pará, expressões inusitadas como "Égua!", "O pau te acha", "Vou nada" e "Diacho" caíram no gosto popular graças ao bom humor de personagens como Edinalva (Zezé Polessa), Abel (Tonico Pereira), Marilda (Dandara Mariana), além de Ritinha e Zeca, já citados anteriormente.

Enquanto Amor de Mãe não volta para a telinha, caberá a novela A Força do Querer a missão de manter em alta a audiência da principal faixa da Globo, bem como o interesse do público por histórias fortes e comoventes. O tempo dirá!


 

Último acesso: 29 Oct 2020 - 18:08:30 (363806).

Leia também

TV CARAS