Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Vera Wang cobra taxa para que cliente experimente vestido de noiva

Ana Paula de Andrade Publicado em 25/03/2013, às 12h58 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

A estilista Vera Wang cobra taxa das noivas que provam seus vestidos para proteger direitos autorais - Foto-Montagem
A estilista Vera Wang cobra taxa das noivas que provam seus vestidos para proteger direitos autorais - Foto-Montagem

Uns chamam de inspiração. Mas para a estilista Vera Wang, fotografar e mandar fazer vestidos de noiva iguais aos dela em uma costureira é roubo de direitos autorais. Em outras palavras, pirataria. O jornal The Global Times informou que, na semana passada, uma das lojas da designer em Xangai, na China, passou a cobrar uma taxa de US$ 482 (cerca de R$ 964) para que a cliente fique 1 hora e meia no provador experimentando os modelos - sem tirar fotos nem filmar. Se a noiva levar o vestido, o valor é deduzido da compra. Se não, ela perde o dinheiro. Caso se torne efetiva, a ‘taxa do provador’ promete virar moda em outras marcas de luxo.

Na internet, já há protestos. Os chineses alegam que a cobrança é discriminatória, já que só acontece na loja de Xangai. Em comunicado, Vera Wang - que tem origem chinesa - afirma que tomou a medida para proteger seus direitos autorais, ou seja, para tentar conter a onda de cópias que virou algo comum não só na China, mas também no Brasil. Aqui, algumas noivas chegam a levar as costureiras “disfarçadas” de mãe aos ateliês para que observem os detalhes e reproduzam fielmente o vestido. O assunto levanta a questão do valor do trabalho criativo no mundo contemporâneo. A expertise e a criatividade do profissional são fatores que fazem a diferença em um vestido de noiva, então nada mais justo que o estilista seja pago por isso. Afinal, tudo tem seu preço. Inclusive brilhar em um vestido de noiva exclusivo e deslumbrante no seu grande dia.