Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Zuza Homem de Mello fala da 'inveja' de roqueiros com o jazz

Crítico musical diz que alguns roqueiros vêem o jazz como um gênero superior ao rock, e trabalhos como o de Amy Winehouse e Paul McCartney são exemplos de boas misturas dos dois estilos musicais

Juliana Cazarine Publicado em 07/06/2013, às 09h54 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

Zuza Homem de Mello - Manuela Scarpa/PhotoRioNews
Zuza Homem de Mello - Manuela Scarpa/PhotoRioNews

O jazz é um gênero democrático: está inserido no rock, no pop e até na música popular brasileira. E por aqui, cada vez mais é possível conhecer - e explorar - o gênero. O Brasil é palco de inúmeros festivais de jazz. Para Zuza Homem de Mello, curador do BMW Jazz Festival, a ascensão do ritmo no Brasil é produtiva. Em entrevista à Caras Online, o crítico de música fala da parceria entre artistas brasileiros e grandes nomes do jazz, comenta o sucesso de Paul MCCartney cantando música americana e revela quem teria potencial para brilhar como uma estrela do ritmo. Confira!

Descubra em 7 razões por que entrar na onda do jazz

Saiba quem são os 10 músicos que você precisa conhecer para gostar de jazz

A cantora Céu gravou a música “Tempo de Amor” com Herbie Hancock. O que você acha da parceria entre cantores brasileiros e artistas consagrados do jazz?

Pode ajudar a carreira do artista que está começando. Milton Nascimento, por exemplo, gravou com Wayne Shorter no início da carreira. Ou seja, a parceria é importante, ainda mais quando o artista já tem projeção na música.

Assista ao vídeo da canção de Céu e Herbie Hancock:

Em maio, no Rio de Janeiro, aconteceu o Bourbon Festival. Hoje, estamos aqui no BMW Jazz Festival e, para agosto, está programado o MIMO. O que você acha abundância de shows por aqui?

Quanto mais festival de jazz, melhor. Esses festivais (Bourbon e MIMO) são de caráter local, geralmente acontecem em cidades pequenas, e trazem artistas não muito conhecidos e isso é muito importante e produtivo. O BMW Jazz Festival é praticamente um festival nacional. E é claro que, nesse caso, é preciso subir o nível. Alguns artistas que vão se apresentar aqui vão fazer shows em Salvador e em Belo Horizonte, por exemplo.

O que você acha dos artistas que usam jazz em suas músicas de outros gêneros musicais?

Demonstra que eles olham para uma música que consideram meio inatingível. O roqueiro, por exemplo, sempre vê o jazz como um tipo de música superior ao rock. Ele tem uma espécie de inveja e gostaria de tocar jazz. Alguns já têm bagagem para atuar no gênero e, portanto, é muito legal. Quando eles conseguem se sair bem, é melhor ainda.

E quem se saiu bem?

A Amy Winehouse se sairia muito bem. Sem a menor dúvida, poderia ter sido uma grande cantora de jazz. Aliás, ela gravou com Tony Bennett maravilhosamente...por aí a gente já vê. Mas o Paul McCartney gravou um álbum (Kisses on the Bottom) apenas com canções americanas. Um disco maravilhoso no qual cantou acompanhado por músicos de jazz como Diana Krall, John Clayton e John Pizzarelli, que já vieram ao nosso festival, inclusive. O disco é espetacular e ele é o Paul McCartney (um cantor de rock). Agora, sendo Paul McCartney, só pode ser espetacular.

Assista ao vídeo de Tony Bennett e Amy Winehouse cantando Body And Soul:

Você pode citar um nome promissor do jazz?

O saxofonista Jaleel Shaw.

O que um músico precisa ter para ser completo?

A vida inteira dedicada à música... intensamente.

Veja os 6 artistas que são as novas promessas do jazz