Rita Ora conta as dificuldades antes da fama: “Foi um momento muito sombrio”

CARAS Digital Publicado sexta 28 novembro, 2014

Rita Ora - Getty Images

Em entrevista para a revista The Talks, a cantora Rita Ora declara: “Eu não sei por que era importante para mim, mas eu me senti como se eu não fizesse isso eu nunca seria feliz comigo mesmo.”

Rita, seus pais se mudaram de Kosovo para Londres, a fim de dar a você e seus irmãos uma vida melhor. O que o seu país de origem significa para você, hoje?
Eu me sinto próxima, embora tenha deixado Kosovo muito cedo. Não quero que as pessoas pensem que abandonei minha terra. Na verdade, estou trabalhando com a UNICEF para retribuir todo o amor e apoio que recebi das pessoas de lá. Mas também admiro muito a coragem da minha mãe e do meu pai pela decisão de se mudar. 

Como uma criança, você foi capaz de entender o que seus pais haviam feito por você?
Eles nem sequer falavam Inglês, foi uma grande mudança. Na época, eu não tinha percebido o quão ruim era. Quando fui ficando mais velha, vi que eles sacrificaram muito pela família. Foi um momento muito sombrio, mas a minha mãe e meu pai sempre fizeram o melhor diante de uma situação ruim. E a superaram.

Seus pais deram suas vidas para dar aos filhos um futuro melhor. Como eles reagiram quando você disse a eles que você iria parar de estudar para seguir carreira na música?
Eles ficaram bem assustados quando disse que iria largar a escola. Porque, honestamente, eu não conseguiria fazer qualquer outra coisa.

Queria tentar?
Tentei estudar, eu tentei tudo isso, mas eu sinceramente não podia e não queria fazer. Queria sair pelo mundo. É um sonho tão comum para muitas pessoas e é um mundo tão difícil de entrar, então eu estou realmente muito orgulhosa de ter conseguido.

Por que exatamente você estava tão certa de que era isso que você tinha que fazer?
Eu só queria ser artista. Eu não me importava como ou o quê. Só queria expressar a minha integridade artística e queria que o mundo tivesse uma visão do que estava vendo em minha mente. Minha mãe e meu pai sempre nos incentivaram a perseguir os sonhos. Eu não sei por que era importante para mim, mas senti que se não tivesse isso, nunca seria feliz. Não tinha respostas, eu só fiz isso. Não tinha ideia do que poderia acontecer. Era um desejo de criança.

Leia a entrevista na integra, aqui.
 

Último acesso: 03 Aug 2020 - 06:43:14 (255724).