Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARAS
Música / DEU O QUE FALAR!

Casa Branca rebate Taylor Swift por críticas ao governo durante premiação

Representante do governo norte-americano rebate Taylor Swift em relação ao discurso feito no VMA

CARAS Digital Publicado em 28/08/2019, às 17h04 - Atualizado às 22h25

Taylor Swift - Getty Images
Taylor Swift - Getty Images

Na segunda-feira, 26, rolou uma das premiações mais famosas na música, o MTV Video Musical Awards. Ao agradecer pelo prêmio de ‘Vídeo do Ano’ por ‘You Need To Calm Down’, Taylor Swift discursou emocionada: “Essa premiação é votada por fãs. Então, obrigada. Porque nesse vídeo foram feitas várias referências e isso significa que vocês querem um mundo onde somos todos tratados igualmente, independentemente de quem amamos ou de como nos identificamos”, destacou. 

“Merecemos direitos iguais perante a lei. Quero agradecer a todos que assinaram a petição, pois, tem mais de meio milhão de assinaturas, o que representa cinco vezes a quantia necessária para garantir uma resposta da Casa Branca’”, ressaltou a loira fazendo um gesto curioso de olhar o relógio. 

Na terça-feira, 27, o vice-secretário de imprensa da Casa Branca, Judd Deere enviou um comunicado à revista People rebatendo a cantora: “A administração Trump se opõe absolutamente à discriminação de qualquer tipo e apoia o tratamento de iguais de todos, porém, o projeto de lei aprovado pela Câmara em sua forma atual é preenchido com pílulas de veneno que ameaçam minar os direitos dos pais e da consciência”, respondeu. 

O clipe premiado em questão foi lançado durante o mês de orgulho LGBTQ+ e foi protagonizado por diversas personalidades importantes do grupo. Ao final do vídeo, é exibido um link para assinar uma petição que suplica que o Senado norte-americano vote em favor da lei que garante que a discriminação com base na identidade de gênero e orientação sexual seja considerada ilegal. A lei já foi aprovada pela Câmara, no entanto, só entrará em vigor caso o Senado aprove.