Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Bangalô 5

By Rodrigo Jorge e Fábio Bouillet, inspirado no Camboja

Redação Publicado em 22/12/2010, às 18h55 - Atualizado em 07/06/2012, às 23h25

Um resumo do Camboja. Na sala, explosão de cores; no quarto, tons mais amenos. - CADU PILOTTO; PRODUÇÃO: CLAUDIO LOBATO E ANA LUIZA VEIGA
Um resumo do Camboja. Na sala, explosão de cores; no quarto, tons mais amenos. - CADU PILOTTO; PRODUÇÃO: CLAUDIO LOBATO E ANA LUIZA VEIGA
As tradições seculares, as paisagens encantadoras e os templos dourados da Tailândia chamaram muito a atenção de Caco Boges (54) em sua pesquisa para criar o bangalô 4. "É tudo muito interessante, as esculturas sólidas, de uma maneira geral, se destacam. E a história asiática é milenar. Tem muita coisa que impressiona também na parte filosófica, religiosa, gastronômica. Tudo o que envolve cultura artística lá é forte", constatou o arquiteto. A partir dessas informações, ele planejou o seu projeto. Para dar ênfase à questão da espiritualidade do povo, um enorme Buda tailandês deitado foi colocado em um aparador. "Mais de 80% da população segue o budismo, diferente de muitos outros países da Ásia, que têm grande influência islâmica", explicou Caco. Essa força da religião também pode ser notada nas paredes dos dois ambientes do chalé onde a artista Dominique Jardy fez pinturas em um mural a partir de situações comuns da região."Pensamos em fazer esse acabamento como se fosse a parede de um monastério budista", contou. No quarto, Caco utilizou um mobiliário todo oriental, como os criados-mudos de madeira antiga. Já na sala, o profissional deu extrema importância à questão do conforto para os hóspedes. E inovou no local, utilizando um mobiliário ocidental. "As pessoas vão sentir claramente a essência da Tailândia no meu ambiente, mostro isso em vários ícones. Se formos em resorts famosos do mundo inteiro, a gente vai ver sempre algo global, mas sem perder a essência do local. Foi o que eu tentei passar aqui", explicou ele, que usou cores fortes nos revestimentos das almofadas, como o amarelo meio alaranjado. "É que a principal corrente budista do país usa mantos mais ou menos nessa cor", lembrou ele, que colocou a foto de um monge com essa vestimenta na cabeceira da cama. Alguns tons em dourado também foram usados por Caco, já que o país segue um regime monárquico desde 1932. "Outra característica interessante é que a Tailândia é o único país da Ásia que não teve nenhuma ocupação ocidental,", contou. Em sua quinta participação na Ilha, o profissional destacou a importância do evento. "Isso aqui é uma referência maravilhosa para os nossos trabalhos por estar linkado à uma revista como a CARAS", disse ele, que define o seu estilo como contemporâneo. "Por isso, acho muito legal trabalhar em cima de temas. O arquiteto, por si só, já é um pesquisador. E quando alguém propõe um assunto, é bem legal. Mas nunca deixo de colocar o meu estilo, a minha cara no trabalho. É como na gastronomia, um chef, que pode ser francês ou americano, consegue fazer uma comida local maravilhosa, mas sempre com o toque dele", justificou.