Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Decoração da Ilha de CARAS: Deck Piscina

by Cristina e Laura Bezamat

Redação Publicado em 25/12/2012, às 11h38 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

Estante feita de caixotes e número mil formado por begônias no espaço criado para ser dinâmico. - -
Estante feita de caixotes e número mil formado por begônias no espaço criado para ser dinâmico. - -

A intenção das arquitetas, sócias e cunhadas Cristina (52) e Laura Bezamat (53) ao repaginar o deck da piscina foi a de fazer a natureza sobressair no ambiente. “O esperado seria que trabalhássemos com cores vivas, com o tema do mar, usando azul, vermelho e branco, ou então tons cítricos. Mas quisemos destacar o verde, a paisagem exuberante daqui”, justifica Cristina. Por isso, elas priorizaram o bege e o cru. “Até a linguagem do mobiliário, o sofá, as poltronas, a mesa de centro, que está com um design bem bacana, tem a ver com a dos tecidos. As duas são sóbrias, queríamos que dialogassem no ambiente. E ainda acrescentamos uma estampa que lembra o hibisco para realçar as referências tropicais da praia, da beira-mar e, fundamentalmente, do verão”, completa a arquiteta.

O tema da temporada da Ilha foi lembrado com muita criatividade por elas, com a ajuda da paisagista Adriana Fonseca (49). Em uma única representação, elas imprimiram o número 1000 de madeira, coberta com begônias, em um biombo de pinho. “Como mil tem essa conotação de conquista, sucesso, nós não queríamos uma coisa banal, tinha que fazer parte do ambiente. E esse número está totalmente inserido nesse contexto de área externa, é como se fosse um jardim vertical. Apesar de ele ter ficado no fundo do lounge, está bastante presente, quem sai da praia já vê de frente”, diz Laura. “E o pinho do biombo onde as begônias estão é de um material prático, que serve perfeitamente para a área externa. Usamos ainda, no deck da piscina, caixotes que pegamos em um centro de abastecimento. Eram sobras, coisas que estavam descartadas, montamos uma estante, parece uma jardineira”, acrescenta ela.

Com 23 anos de parceria no trabalho, as duas arquitetas decidiram que o espaço teria que ser dinâmico, para que os convidados não ficassem apenas no sofá e nas poltronas. Em função disso, destaca-se a quantidade de futons e almofadas. “Quem estiver aqui pode pegar uma almofada do deck e levar para o lounge, para a praia, deitar na areia. A mesma coisa acontece com os futons. A intenção é que eles sejam realmente usados, sem nenhuma preocupação. O tecido é próprio para exterior, não absorve água, não vai estragar”, garante Cristina, que deseja realçar o clima de espontaneidade e descontração sugerindo que se faça um piquenique no ambiente. Por isso, inseriu uma mesa de madeira de cumaru, de alta resistência, sob um ombrelone.