Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

No horóscopo chinês, 2009 é ano do búfalo, do latim bufalus, boi selvagem, que nos causa admiração e assombro...

No horóscopo chinês, 2009 é ano do búfalo, do latim bufalus, boi selvagem, que nos causa admiração e assombro, ligado ao latim umbra, sombra. E transatlântico, muito procurado nesta época do ano para viagem e descanso, vem do latim transatlanticus

por <b>Deonísio da Silva</b> Publicado em 31/12/2008, às 12h29 - Atualizado em 05/01/2009, às 12h22

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Assombro: de sombra, do latim umbra, sombra. O assombro leva a admirações, maravilhas, mas também a sustos. O poeta Affonso Romano de Sant'Anna (70) tem um poema intitulado Assombro: "Às vezes, pequenos grandes terremotos/ ocorrem do lado esquerdo do meu peito./ Fora, não se dão conta os desatentos./ Entre a aorta e a omoplata rolam/ alquebrados sentimentos./ Entre as vértebras e as costelas/ há vários esmagamentos./ Os mais íntimos/ já me viram remexendo escombros./ Em mim há algo imóvel e soterrado/ em permanente assombro". A mídia abomina os desatentos e nos põe em permanente assombro. Nem sempre foi assim. A Espanha demorou quase um semestre para saber do assombro do Novo Mundo e os portugueses, uns dois meses para saberem do Descobrimento do Brasil. Mas no dia 21 de julho de 1969 o mundo inteiro levou apenas 1,3 segundo para saber que Neil Armstrong (78) tinha chegado à Lua. À meia-noite do dia 31 de dezembro, as más notícias do ano velho cedem o lugar às desassombradas saudações do novo ano, que vem cheio de esperanças, como um bebê. Atualmente, sejam boas ou sejam más, as notícias chegam em tempo real. Búfalo: do grego boubalos, de boûs, boi, vaca, bovino, pelo latim bubalus, mudado para bufalus no latim vulgar, designação comum ao boi selvagem originário da Índia, mas aplicada também a animais semelhantes que vivem no continente africano e até aos bisões americanos. Domesticados, os búfalos passaram a substituir cavalos e bois. Sua carne é muito apreciada. Já o leite de búfala, semelhante ao da vaca, é usado também para fazer muçarela, iguaria que, em muitos restaurantes, integra as entradas dos pratos e os petiscos. No horóscopo chinês, 2009 é o ano do búfalo. Reza a lenda que Buda (entre os séculos VI-V a.C.) convocou todos os animais para uma reunião, mas apenas 12 compareceram. Em agradecimento, Siddharta Gautama, nome pela qual era conhecido antes da "iluminação", transformou os 12 em signos do zodíaco, do grego zodiakós, círculo de animais. Transatlântico: do latim trans, preposição que indica para lá de, além de, depois de, e atlântico, do latim atlanticus, referindo o deus grego Atlas, que sustentava as colunas do céu e detinha o oceano. Designando o que está além do Oceano Atlântico ou o atravessa, aparece registrado pela primeira vez no século XIX, no Diccionario da Lingua Portugueza, de Antonio de Moraes Silva (1757-1824), que, perseguido pelo Santo Ofício, se refugiou na Inglaterra. É aplicado a coisas muito grandes e, assim, o Palácio de Montecitorio, em Roma, é chamado também Il Transatlantico. Nos descobrimentos dos séculos XV e XVI, as viagens já eram transatlânticas, ainda que não fossem assim definidas. No século XX, transatlântico veio a designar grande navio de passageiros, luxuoso e veloz, dos quais um dos mais famosos foi o Queen Elisabeth II. Cidades portuárias, especialmente o Rio de Janeiro e Santos, recebem muitos transatlânticos no carnaval, nos festejos de fim de ano e em outros feriados prolongados, trazendo turistas que deixam milhões de dólares no Brasil. Um dos maiores transatlânticos do mundo, em plena atividade, é o Freedom of the Seas (Liberdade dos Mares), de 158000 toneladas e 15 andares, com piscina de ondas artificiais para surfistas, pista de patinação sobre o gelo, tendo capacidade de transportar 3600 passageiros. Os vôos são igualmente transatlânticos ou "transpacíficos", mas o inglês "transpacific" ainda não foi traduzido nem adaptado ao português. Velejar: de vela, do latim vela, neutro plural de velum, vela, véu, pano, com o significado de navegar à vela. Na formação desse verbo, tira-se o "a" e acrescentase o sufixo "ejar", como em alvejar, azulejar, farejar e pestanejar. O latim clássico tem a expressão "plenissimis velis navigare", navegar a todo pano, navegar de vento em popa. O inglês John Fairfax atravessou sozinho o Atlântico em 1969. Ele partiu de Las Palmas, nas Ilhas Canárias, no dia 20 de janeiro e chegou à Flórida, nos Estados Unidos, em 19 de julho. Os astronautas da Apolo 11, Neil Armstrong, Michael Collins e Edwin A. Aldrin Jr., escreveram-lhe bonita carta celebrando o feito, obtido a apenas dois dias de chegarem à Lua, para onde foram levando até aspirina na bagagem. Em 1930, um ano após receber o brevê, a aviadora inglesa Amy Johson (1903-1941) se tornou a primeira mulher a voar sozinha da Inglaterra à Austrália e ganhou o prêmio de 10000 libras esterlinas do jornal Daily Mail. Ela fez com o marido, em 1934, o primeiro vôo da Inglaterra à Índia.