Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Diversão de Suzy Rêgo em família

Par reflete sobre os onze anos de união ao lado de seus gêmeos

CARAS Digital Publicado em 02/01/2016, às 10h04 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

Suzy Rego e o amado, Fernando Vieira, relaxam em spa - Caio Guimarães
Suzy Rego e o amado, Fernando Vieira, relaxam em spa - Caio Guimarães

Liberdade e criatividade são as palavras-chave que conduzem a relação familiar do casal de atores Suzy Rêgo (48) e Fernando Vieira (53) com os herdeiros, os gêmeos Marco e Massimo (6). Em casa, todo tipo de arte é permitida, inclusive, rabiscar as paredes. “Moramos em uma casa grande internamente, mas não há uma área para as crianças. Então, transformamos a casa em um grande playground. Os meninos são muito ligados a arte. As paredes de todos os cômodos, menos a cozinha, são liberadas paraeles desenharem, e o que mais nos chama a atenção é que, a princípio, os adultos ficam horrorizados, masdepois, adoram e também querem desenhar”, destaca Fernando, ao lado da amada, durante fim de semanade descanso no Royal Palm Hotels & Resorts, em Campinas, no interior de SP.
Casados há onze anos, Suzy e Fernando, além de estarem em sintonia com os filhos, também procuram não deixar a relação cair na rotina. Mesmo com a agenda cheia — após o sucesso na global Império, ela encerrou brilhante temporada dos espetáculos Até Que o Casamento nos Separe e Valham-me Deuses, ambos com Eduardo Martini (51), enquanto ele arrasou em cena na peça Oleanna, ao lado de Luciana Fávero— o casal frisa que a maturidade, tolerância e admiração são essenciais para uma união duradoura. “Somos da escola do elogio. Estamos sempre incentivando um ao outro, enaltecendo um ao outro. E temos muito diálogo”, diz Suzy.
– Suzy, como é a rotina de vocês no tempo livre?
– Passamos o fim de semana juntos. Somos democráticos, propomos passeios em parque, visitamos atrações da cidade. Também gostamos de fazer almoço, ficar na piscina e brincar em casa. Fazemos sessão de cambalhotas na cama, cosquinha e chamegos. (risos)
– Qual de vocês é mais rígido com as crianças?
Suzy – Sou a mais linha dura. Fernando se mistura um pouco a eles, ficam os três meninos juntos. Mas comigo não tem desconto. Éuma combinação um pouco nossa também, muitas vezes ele é mais bonzinho, permissivo. É um código deles de cumplicidade.
Fernando – A educação e a disciplina são fortes. Se eles querem algo, têm de cumprir as regras, mas às vezes já cumpriram e tudo bem, não precisa ser algo extremo. Nem sempre é preciso raspar o prato até o final e comer tudo, podem comer depois. Mas eles gostam dessa atenção que damos, de mostrar que não estão largados.
– Existe fórmula para o casamento dar certo?
Suzy – O casal tem de se admirar, se desejar e estar disposto a construir essa união. Os dois precisam se conhecer, não só um ao outro, mas a vida em família, os hábitos externos, os princípios, isso é uma combinação. E conciliar tudo. Dividir espaço com outra pessoa é uma convivência elaborada. São hábitos, horários, organização, é uma logística que o casal precisa planejar. Uma das fórmulas que pode funcionar é ter essa transparência no início.
Fernando – Maturidade e tolerância você só consegue com o tempo. A gente teve a sorte de se encontrar com uma certa idade. E temos muito amor. Quando você se apaixona pela outra pessoa você tolera, ajuda, não fica cada um por si. Você constrói junto.
– Suzy, você fez uma peça sobre casamentos. Como analisa as relações atualmente?
– Às vezes, me pego surpresa com algumas relações de casais mais jovens, mas super conscientes, e de outros que apostam na relação afetiva como um aprendizado. A peça sobre o casamento faz reflexão sobre algumas picuinhas, mas há uma cena em que se fala que tudo isso faz parte do amor. Torço para que, com  humor, comédia e entretenimento, possamos contribuir com as relações.
– Acha que a famosa DR, discussão da relação, é válida?
– Temos diálogo, mas preguiça de brigar. Todo mundo tem chatice, mau humor, uma fase em que está frustrado. Mas o que queremos manter? Estamos felizes aqui e temos liberdade de falar para o outro o que incomoda.