Sucesso do BBB: Especialistas explicam tendência da bandana e dão dicas para usar o acessório

Versáteis e estilosos, aprenda a inovar no visual com bandanas e lenços

Bruno Cominatto e Carolina Leal Publicado quinta 18 março, 2021

Versáteis e estilosos, aprenda a inovar no visual com bandanas e lenços
Sucesso do BBB: Especialistas explicam tendência da bandana e dão dicas para usar o acessório - Reprodução/TV Globo

As bandanas se tornaram uma das tendências que mais chamou a atenção entre os brasileiros com o seu destaque super moderno no estilo de Fiuk, Carla Diaz, Viih Tube, Pocah e outros participantes do Big Brother Brasil 21. No entanto, a trajetória do acessório percorreu um longo percurso antes de chegar na casa mais vigiada do país.

A história da bandana começou bem antes do reality show, ainda no velho oeste norte-americano. "Elas surgem com os cowboys do velho oeste. Eles usavam um pedaço de tecido em formato triangular no rosto como forma de proteção da poeira e ar seco do local", explicou o consultor de imagem e docente de moda, Ricardo Almeida.

No início do século XX, o elemento passou por uma transformação com o estilista francês Paul Poiret e retornou como acessório de cabeça para as mulheres daquele período. "Ele começa a trabalhar as bandanas na moda feminina e temos essa passagem pelas mãos de Paul Poiret, mas com a mesma proposta de um tecido quadricular", contou Almeida.

Enquanto no final dos anos 60, a tendência volta a fazer parte do guarda-roupa masculino por influência dos artistas da época, como Jimi Hendrix e até mesmo Janis Joplin. Posteriormente, o acessório se tornou um marco do movimento hippie dos anos 70 e ganhou diversas formas. “Eles começam a usar as bandanas e assim temos varias dimensões da mesma. A clássica e os lenços, onde os próprios hippies começam a usar um lenço maior, dobrado ao meio em formato triangular, para cobrir toda a cabeça”, especificou o consultor.

A CARAS Digital também conversou com a consultora de moda e professora Adriana Machado, que falou sobre o retorno das bandanas, fazendo um paralelo entre o passado e presente. “O fato é que hoje em dia vivemos uma similaridade de ideais com os anos 70, onde as pessoas buscam por mais amor, mais diversidade, o fim da pandemia e uma política onde todos tenham voz. As ‘modas’ vão e vem baseadas no espírito do movimento que vivemos”, contou, citando como referência também os hippies dos anos 70.

E, para quem também quer entrar na tendência sem errar, Adriana ensina algumas dicas de estilo usando o acessório. “Respeite sempre o seu estilo para ter uma sensação de bem-estar. Se você é uma pessoa mais discreta, não queira abusar do contraste [de cores], pense que a bandana deve acompanhar toda a paleta de cores do seu look, como a moldura de um quatro que não deve chamar mais a atenção do que a pintura”, sugeriu. “Agora, se você é uma pessoa mais ousada, use & abuse do contraste. Faça da bandana seu ponto de contraste, ou seja, escolha cores vibrantes”, completou a consultora. 

Ainda na dúvida sobre qual modelo usar? Fica tranquila que a consultora de moda esclarece a ideia. “Estampas como a famosa Paisley pode ser considerada uma estampa atemporal, ou seja, vai com tudo. Ela tem a vantagem de aparecer em todas as cores, o que facilita para coordenar com os looks”, aconselhou a professora. “Tenho duas dicas para te ajudar na coordenação da estampa: Respeite uma cor. A estampa deve ter uma cor que faça conexão com a cor do seu look; Respeite o tamanho. Por exemplo, se você está com uma camisa 'xadrezinha', opte por uma bandana com estampa na mesma proporção e conecte-as”, disse.

Para além do clássico jeito usado pela atriz Carla Diaz, com a bandana amarrada na cabeça, Adriana também ensinou algumas outras formas originais e super modernas para usar o acessório. “Na cabeça, como tiara ou faixa; no pulso, amarrada para efeito de bracelete; no pescoço; na bolsa; enfim, ela é um acessório que só acrescenta charme no seu look, então, mais uma vez, use & abuse”, brincou. Sobre as melhores horas de incrementar a bandana no look, a professora alertou que “profissionalmente falando, você deve respeitar o dresscode do lugar que está inserido, então, em alguns ambientes, acessórios muito casuais e que chamam muito a atenção não são adequados”.

Último acesso: 27 Oct 2021 - 07:43:04 (382136).

Leia também

TV CARAS