Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Responsabilidade ambiental: a vez do mercado da moda

Zara abre loja ecoeficiente em São Paulo e se junta a grupo que reúne Gucci, Louis Vuitton e Osklen, adeptas de práticas para preservação ambiental

Juliana Cazarine Publicado em 09/08/2012, às 18h02 - Atualizado em 21/02/2013, às 18h54

Loja Zara do Shopping JK Iguatemi - Divulgação
Loja Zara do Shopping JK Iguatemi - Divulgação

Depois de Nova York, Londres e Paris, o Shopping JK Iguatemi, localizado na zona sul de São Paulo, foi o primeiro espaço do Brasil a receber a Zara com o novo conceito ecoeficiente, que deve nortear os próximos lançamentos de lojas da rede. A iniciativa faz parte do programa Inditex Sustentável 2011-2015, criado pelo grupo ao qual a marca pertence. O objetivo do programa é reduzir as emissões de carbono de suas lojas, economizar água e energia através de sistemas de iluminação de LED, por exemplo, e adotar práticas que causem menos impacto no meio ambiente. Seguindo à risca o conceito ecoeficiente, o piso da nova loja, que tem 1,3 mil m², foi feito com sobras de concreto.


Gucci e Louis Vuitton também estão atentas às necessidades do planeta. A grife italiana, em parceria com a Rainforest Action Network, deixou de usar papel proveniente de florestas e plantações da Indonésia com o objetivo de reduzir a emissão de carbono e, claro, de provar que moda e sustentabilidade podem caminhar lado a lado. Já a Louis Vuitton mantém a sua própria floresta, a Louis Vuitton Forest, em Komoro, no Japão. Enquanto a organização More Trees trata de plantar nos 104 hectares do local, a grife francesa financia o trabalho. 



Aqui no Brasil é a Osklen quem une moda e consciência ambiental. Todas as peças da marca têm design inovador e são confeccionadas a partir de materiais orgânicos ou reciclados, sem causar impactos ambientais. A fim de promover o desenvolvimento sustentável no Brasil, a marca também criou o Instituto-e. Com um consumidor cada vez mais preocupado com a preservação do meio ambiente, a tendência é que outras grifes se juntem a esse grupo ecoeficiente. Bom para a moda, melhor ainda para o planeta.

Por Juliana Cazarine