Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Kristhel Byancco fala de sua linha de joias para homens chamada Copacabana

“É a minha primeira coleção masculina e procuro trabalhar com metais nobres, como couro de jacaré, prata 950, diamantes negros e brancos e safira" revelou Krysthel, que também comentou sua agitada rotina

CARAS Digital Publicado em 09/08/2014, às 09h04 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Kristhel Byancco - Divulgação
Kristhel Byancco - Divulgação

Com sólida trajetória de 15 anos no universo do design de joias, Kristhel Byancco (52) procura sempre agradecer e celebrar as conquistas de sua carreira. Seu mais recente projeto é o lançamento de exclusiva e sofisticada linha para o público masculino chamada Copacabana, inspirada nas belezas e histórias do tradicional bairro do Rio, cidade onde mora. “Minha fonte de inspiração vem da emoção sentida, da vivência, das mensagens recebidas e das que quero transmitir. Busco ser fonte de luz e de alegria para que as pessoas possam carregar nos seus corpos um pedaço de uma mulher que vive em busca da liberdade e da justiça”, ressalta a dedicada artista, realizada com a nova empreitada. “É a minha primeira coleção masculina e procuro trabalhar com metais nobres, como couro de jacaré, prata 950, diamantes negros e brancos e safira. Tudo está um verdadeiro deslumbre”, pontua ela. Dona de uma agitada rotina, que inclui, além do trabalho, os cuidados com a beleza e  com os filhos, Newton Rique Neto (17) e Rebeca Lima Rique (13), da união com o ex, o empresário Ricardo Rique (54), Kristhel também dedica boa parte de seu tempo à leitura e à fé evangélica. “Às terças e quintas- feiras vou à igreja, porque sou pastora e participo dos trabalhos evangélicos e sociais, pois dentro de mim há uma essência e um temor a Deus sobrenaturais. Também sou supercaseira, amo receber e cozinhar para os meus amigos. Tenho meu tempo de leitura e escrevo, para mim mesma, sobre vários temas duas vezes por semana”, conta