Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

As cores predominam em ‘Fina Estampa’

Figurinista de 'Fina Estampa' revela como monta os looks da trama das 9: com muitas cores e sem preto

Redação Publicado em 29/08/2011, às 19h15 - Atualizado em 08/08/2019, às 15h43

Milena Toscano, Christiane Torloni, Sophie Charlotte e Adriana Birolli - TV Globo
Milena Toscano, Christiane Torloni, Sophie Charlotte e Adriana Birolli - TV Globo

O visual de Fina Estampa não lembrará os looks usados na festa de lançamento da nova novela das 9, em que as atrizes, como Carolina Dieckmann (32), Julia Lemmertz (48), Lilia Cabral (54) e Dira Paes (42), brilharam com vestidos pretos. Na telinha, as personagens usarão muitas cores. A figurinista Beth Filipecki e sua equipe abusaram da paleta de cores na hora de pensar os visuais dos personagens. “Não usamos roupas pretas na novela. Porque o Rio de Janeiro é a mistura das cores, e o preto é a ausência dela, é a sombra da cidade. A nossa preocupação foi ter uma paleta que percorresse o azul do mar, o verde da floresta, a areia, o urbano. Nós estudamos todas as tendências da moda primavera-verão 2012, e a questão da natureza na cidade é uma tendência mundial. O figurino segue as tendências contemporâneas de quem está circulando na Cidade Maravilhosa. É uma cidade que vai receber a Copa do Mundo, as Olimpíadas, então também tratamos do esporte, de ação, do moderno, tecnológico. Estamos trabalhando muito mais com a escola impressionista de pintura, onde uma cor se mistura com a outra”, contou ela ao site oficial da trama.

A inspiração para o figurino veio principalmente da natureza do Rio de Janeiro e também do conceito da história, que mostra os dois lados das pessoas, o que parecem ser e o que são. Assim, a figurinista usa muitas camadas, “do processo de transformação”. “As roupas têm movimento, são dinâmicas”.

Além disso, a escolha dos tecidos também conta na hora de montar os visuais. “Depois de escolhida a paleta de cor, a gente parte para a escolha dos tecidos. Separamos as categorias: seda para os ricos; quando se trata de núcleos mais populares, temos o algodão e a renda, mas sempre ligada ao artesanal. No núcleo rico, temos renda com alta tecnologia, em sedas, em brocados. No núcleo esportivo, temos tecidos de alta tecnologia, como o dry feet, que representam limpeza, ação, atividade, leveza. Na linha praia, usamos cores mais acesas, tecidos como stretch, com neon, brilhos, lycra, a malha fit. Tentamos viabilizar um procedimento comprometido ecologicamente nos fios e nas texturas para o lado mágico da novela, que é o Recanto da Zambeze”, afirmou.

Mas as roupas também servem para unir os personagens de diferentes tramas. “A gente está fazendo com que toda essa cidade seja ligada pelo jeans. Todos os personagens trabalham o azul, desde o mais alegre, como o piscina, até o azul marinho, que é o nosso tom de escuridão”.