Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Brad Pitt e Shakira já aderiram aos dreadlocks. Saiba como fazer e manter o visual rasta

A profissional responsável pelos dreads de Marcelo Falcão, vocalista da banda O Rappa, dá dicas para quem quer aderir ao visual rastafári

Juliana Cazarine Publicado em 11/10/2012, às 18h32 - Atualizado em 22/02/2013, às 10h29

Marcelo Falcão, Shakira, Débora Falabella e Brad Pitt: famosos aderem aos dreadlocks - Foto-montagem
Marcelo Falcão, Shakira, Débora Falabella e Brad Pitt: famosos aderem aos dreadlocks - Foto-montagem

Dreadlocks estão na moda. O visual descolado de famosos que são ícones de beleza, como Brad Pitt – que posou recentemente para a revista americana Interview -, Isabeli Fontana, Débora Falabella, Shakira, Rihanna, Angélica e Caroline Trentini, tem contribuído para desmistificar os dreadlocks. O penteado, que se popularizou com o movimento religioso rastafári, se tornou sinônimo de atitude e hoje está presente em editoriais de moda e nas passarelas.

Veja o ensaio de Brad Pitt na revista americana Interview

A fama de “sujo” dos dreads é atribuída, em parte, ao cantor Bob Marley, que era conhecido não apenas por seu talento, mas também por seus cabelos e pelos mitos que o cercavam. Mas o conceito é equivocado. “Qualquer cabelo, seja liso, enrolado ou com dreads, pode ser sujo se não for bem cuidado”, diz Sista Wolffi, cabeleireira responsável pelos dreadlocks de Marcelo Falcão, vocalista da banda O Rappa. Confira as dicas da especialista e saiba como fazer e manter dreadlocks saudáveis e bonitos.  

Como fazer

Existem inúmeras técnicas para fazer dreadlocks. Mas Sista garante que a “torção” é a mais eficaz. “Era como se fazia na África”, afirma. Para fazer dreadlocks desse jeito, é preciso uma pomada especial e um pouco de força física. “Separo o cabelo em mechas, cujo tamanho é estabelecido por cada tipo de cabelo, aplico a pomada e vou torcendo os fios”, explica a cabeleireira. Para Sista, a conhecida técnica do “ponto de crochê” pode ser prejudicial aos fios. “É como se o cabelo fosse uma linha que vai sendo costurada até formar o dread”, diz. “O problema é que os pontos internos não ‘respiram’ nunca e correm o risco de apodrecer”. Independentemente da técnica, o penteado demora entre seis e doze horas para ficar pronto. “Tem que ter paciência. Se demorar menos, pode não ficar bem feito”, conclui.  

Cuidados

Apesar de estar sempre ressecado e, em alguns casos, desfiado, o cabelo com dreadlocks pode – e deve – ser saudável como qualquer outro. A primeira regra é: “nunca deixe os dreadlocks molhados”, alerta Sista. Após praticar exercícios físicos ou depois do banho, deve-se usar secador. “Para saber quando é necessário usar o secador, aperte o dread. Se sair água, tem que usar”, recomenda a cabeleireira.  O cabelo pode “mofar” se ficar molhado. “No inverno, por causa das temperaturas mais baixas, os dreadlocks não secam bem naturalmente, por isso o uso do secador é indispensável”, diz Sista. O intervalo entre uma lavagem e outra pode ser definido por cada pessoa. “Dá para lavar todo dia se quiser, desde que os dreadlocks fiquem secos depois”, comenta a cabeleireira. Mas o shampoo tradicional deve ser deixado de lado. “Quem tem cabelo liso, por exemplo, deve usar sabão de coco durante um mês e meio, no mínimo. O sabão resseca e deixa o dread com aparência mais bonita, além de limpo”, explica. “Negros ou pessoas que têm o cabelo mais grosso podem lavar com shampoo natural de mel e própolis, porque os dreadlocks já estão mais firmes”, afirma Sista.  

Manutenção

Conforme o cabelo vai crescendo, os dreadlocks vão “descolando” da raiz. Portanto, “é preciso fazer uma manutenção mensal para ‘dredar’ o cabelo novo”, aconselha a cabeleireira. A falta de manutenção pode prejudicar a beleza do cabelo. “Os dreadlocks podem grudar uns nos outros. Depois, para voltarem ao normal, têm que ser cortados e refeitos”, diz Sista. Se o cabelo estiver bem cuidado pode durar o tempo que o dono quiser. “Eu tive dreadlocks por sete anos”, conta Sista.  

Posso tirar?

Certeza deve ser a palavra-chave para quem vai fazer dreadlocks. “Para tirar só cortando o cabelo”, alerta Sista. “O Falcão só consegue tirar os dreads se raspar a cabeça”, exemplifica. “Em alguns casos, até dá para desfazê-los se tiverem menos de um mês, mas é bem difícil”, diz. Existe alternativa ao corte radical, mas exige tempo. “Eu, por exemplo, fui deixando o cabelo crescer e cortando os dreads aos poucos. Para não ficar com aparência estranha, usei rabo de cavalo por um bom tempo”, relembra.    

Dreads artificiais

Quem não tem certeza de que quer aderir ao visual, pode optar pelos dreadlocks artificiais. “Fica melhor em quem tem o cabelo curto, além de a aplicação ser mais bem-sucedida”, afirma Sista. “Eu não recomendo dreads artificiais para quem tem cabelo longo. O melhor para essas pessoas é fazer o natural, que é mais saudável, ou ainda ‘dredar’ o fio verdadeiro ao dread artificial”, completa. Existem três opções de material para fazer os dreadlocks artificiais: cabelo natural, canecalon ou lã. Mas a especialista recomenda apenas as duas primeiras. “A lã pode se deteriorar facilmente”, explica. “O dread artificial exige ainda mais cuidados do que o natural porque pode desprender ou comprometer a saúde dos fios que estão nascendo”, alerta. Mesmo assim, “com a aplicação, a manutenção e os cuidados feitos corretamente, pode durar de três a seis meses”, diz.   

Por Juliana Cazarine