Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Anna Piaggi: o adeus de um ícone fashion

Amiga de Vivienne Westwood, Stefano Gabbana, Manolo Blahnik e Karl Lagerfeld, a ex-editora de moda deixa legião de fãs e torna-se lenda. Veja a galeria com os looks inconfundíveis de Anna Piaggi

Ana Paula de Andrade Publicado em 10/08/2012, às 13h10 - Atualizado em 21/02/2013, às 23h34

Anna Piaggi ao lado do designer de sapatos Manolo Blahnik: ícone fashion - Getty Images
Anna Piaggi ao lado do designer de sapatos Manolo Blahnik: ícone fashion - Getty Images

O mundo da moda está menos fashion. Faleceu na última terça-feira (7), aos 81 anos,  a jornalista de moda Anna Piaggi. A ex-editora da Vogue Itália chamava a atenção por seu estilo extravagante, que incuía cabelos coloridos e acessórios ousados, principalmente chapéus. "Eu me sinto melhor se tenho um bom chapéu na cabeça”, disse certa vez. A italiana era amiga de personalidades como os estilistas Vivienne WestwoodManolo Blahnik, Stefano Gabbana e Karl Lagerfeld, que a considerava uma inspiração. "Anna inventa a moda, se veste automaticamente como nós nos vestiremos no futuro”, disse o diretor criativo da Chanel.

Sua importância no mundo fashion ficou ainda mais evidente em 2006, quando Anna foi tema da exposição “Anna Piaggi Fashion-logia” no museu Victoria & Albert, em Londres. A mostra reuniu nada menos que 2.865 vestidos, 265 pares de sapatos e  932 chapéus da jornalista italiana, revelando curiosidades de seu histórico closet.  “Anna é a única italiana que vale a pena fotografar”, disse uma vez Bill Cunningham, célebre fotógrafo do jornal americano The New York Times. Franca Sozzani, atual editora da Vogue Italia, também comentou o falecimento no Twitter. “23 anos de trabalho em conjunto, milhões de D.P.publicadas. Vou lembrar de você para sempre, Anna." Piaggi era colaboradora da  revista, onde escrevia a coluna “D.P. Doppie Pagine di Anna Piaggi”. A moda perde um ícone, mas, certamente, ganha uma lenda. 

Por Ana Paula de Andrade