CARAS Brasil
Busca
Facebook CARAS BrasilTwitter CARAS BrasilInstagram CARAS BrasilYoutube CARAS BrasilTiktok CARAS BrasilSpotify CARAS Brasil
Esporte / Família

Quem é a esposa de Michael Schumacher? Ela vendeu bens após acidente dele

Conheça Corinna Schumacher, que é a esposa do ex-piloto Michael Schumacher, e saiba qual era a profissão dela antes do acidente dele

por Priscilla Comoti

pcomoti_colab@caras.com.br

Publicado em 16/05/2024, às 09h24

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Michael Schumacher - Foto: Getty Images
Michael Schumacher - Foto: Getty Images

Esposa do ex-piloto de Fórmula 1 Michael Schumacher, Corinna Schumacher tomou uma decisão sobre os bens do casal nos últimos tempos. De acordo com o Jornal O Globo, ela resolveu vender uma casa deles na Noruega e também o jatinho particular.

A decisão foi tomada por ela ao aceitar que o marido não vai conseguir se recuperar completamente das sequelas do acidente que sofreu há 10 anos e que o deixou longe das pistas. Assim, com as vendas recentes, ela conseguiu juntar cerca de 25 milhões de libras - aproximadamente R$ 162 milhões - para ajudá-la a pagar os custos do tratamento do marido.

Após o acidente do marido, Corinna teve que assumir toda a vida financeira da família e gerir os bens deles. Além das vendas citadas acima, ela também vendeu uma casa na Suíça, que era avaliada em 58 milhões de euros, cerca de R$ 327 milhões, e enviou para um leilão oito relógios de luxo do marido.

Hoje em dia, a família vive em Maiorca, na Espanha, em uma mansão que foi comprada em 2018 e está em um terreno de 15 mil metros quadrados.

Corinna Schumacher nasceu em 1969 na Alemanha e trabalhou por muito tempo como amazona e participou de competições. Ela se casou com Michael em 1995 e eles tiveram dois filhos, Gina e Mick Schumacher.

Michael Schumacher e Corinna no ano de 2004 - Foto: Getty Images
Michael Schumacher e Corinna no ano de 2004 - Foto: Getty Images
Corinna com o filho, Mick Schumacher, no ano de 2023 - Foto: Getty Images
Corinna com o filho, Mick Schumacher, no ano de 2023 - Foto: Getty Images

O que aconteceu com Michael Schumacher?

O ex-piloto de Fórmula 1 Michael Schumacher sofreu um grave acidente no dia 29 de dezembro de 2013. Ele esquiava em uma pista nos Alpes Franceses quando colidiu com uma pedra e sofreu uma queda grave. Com isso, ele bateu a cabeça em outra pedra e precisou ser internado às pressas e ficou em coma induzido.

Depois de uma longa internação, o atleta foi para casa para ficar em contato com sua família. Porém, os familiares não divulgaram mais informações sobre o estado de saúde dele ao longo dos últimos anos. A última notícia sobre ele foi dada em 2014, quando a família informou que ele saiu do coma, mas não conseguia andar ou se comunicar.

Por que a família mantém o sigilo até hoje?

A família de Michael Schumacher revelou muito pouco sobre o quadro de saúde dele até hoje. Com isso, o advogado da família, Felix Damm revelou o motivo para sabermos tão pouco sobre como anda a saúde do ex-piloto.

Em entrevista ao jornal alemão LTO, ele contou o motivo para a família não divulgar relatórios periódicos sobre a recuperação do atleta. Ele disse que a família tomou a decisão para evitar a curiosidade dos meios de comunicação. “Sempre foi uma questão de proteger assuntos privados. É claro que discutimos muito sobre como isso seria possível. Então, também consideramos se um relatório final sobre a saúde de Michael poderia ser o caminho certo, mas isso não seria o suficiente e teria que haver ‘relatórios sobre cada detalhe’ constantemente atualizados”, disse ele.

E continuou: “Porque, como pessoas afetadas, não cabe a você acabar com a mídia. Eles poderia retomar esse relatório repetidas vezes e perguntar: ‘E como está agora?’. E se quiséssemos então tomar medidas contra isso, teríamos que lidar com o argumento da auto-revelação voluntária”.

Por fim, ele contou que a família não pretende revelar novas informações sobre o quadro de saúde dele. “Acredito que a grande maioria dos torcedores pode lidar bem com isso e também respeitar o fato de que o acidente desencadeou um processo em que o abrigo privado é necessário e agora continuará a ser observado”, contou.