Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARAS
Especial / Exclusiva

Sarah Andrade fala em chuva de oportunidades pós BBB, mas faz alerta: ''Me senti numa berlinda''

A ex-sister ainda adiantou novidades sobre o futuro de sua carreira no mundo digital

CARAS Digital Publicado em 08/09/2021, às 18h01 - Atualizado em 09/09/2021, às 12h38

Nas redes, Sarah deseja bom dia com mensagem positiva - Reprodução/Instagram
Nas redes, Sarah deseja bom dia com mensagem positiva - Reprodução/Instagram

A publicitária e ex-BBB, SarahAndrade, enfrentou um dos maiores desafios de sua vida após participar do Big Brother Brasil. Em uma entrevista exclusiva com a CARASBrasil, ela contou em detalhes como enfrentou esse momento de grandes mudanças.

Relembrando sua participação no programa, Sarah comenta sobre sua porcentagem eliminatória, que compôs o segundo maior paredão da história do programa. ''Quando estamos lá dentro, não temos a proporção de como as coisas estão aqui fora. [...] Assim que saí e vi o percentual, não vou mentir, a gente fica chateada, porque dá muito medo. [...] Só que quando eu saí e fui entendendo os paredões passados daquela edição, eu até fiquei mais aliviada'', disse.

Ao falar  sobre as opções e oportunidades de carreira após a participação no programa, Sarah embalou: ''Aparece de tudo, viu? [...] Assim que a gente sai, é muita informação, vários convites, e a gente fica encantada. Se não tivermos foco e paixão por aquilo que fazemos, não dá certo. Me senti numa berlinda. O que faço? Apenas o que as pessoas querem ver de mim? Ou o que eu gosto de fazer? [...] Então, por que não unir o útil com o agradável? Me sinto muito mais tranquila depois de unir esse caminho'', declarou. 

Em relação às diversas notícias sobre ter entrado no programa com um livro de análise de linguagem corporal e comportamental, a ex-participante mensurou até que ponto isso a ajudou ou prejudicou. ''Eu peguei esse livro e levei pro confinamento. Ficamos 10 dias em confinamento. Não tem televisão, não tem nada. [...] Quando comecei a ler o livro, senti que me ajudaria muito no jogo. Eu li duas vezes! Mas quando você entra na casa, tudo no começo é mais fácil, não tem tantas desavenças e brigas. Mas quando você se envolve emocionalmente com as pessoas, é muito mais difícil de analisar. No começo eu conseguia fazer isso muito bem. [...] Mas a partir do segundo mês já ficou bem mais difícil. Sinto que fazer isso me ajudou muito mais do que me atrapalhou'', revelou.