Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Retrô romântico

Um lar Cosmopolita, cheio de vida e personalidade, mas sem perder a ternura

Redação Publicado em 17/12/2012, às 11h09 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

Retrô romântico: um lar Cosmopolita, cheio de vida e personalidade, mas sem perder a ternura - J. Vilhora
Retrô romântico: um lar Cosmopolita, cheio de vida e personalidade, mas sem perder a ternura - J. Vilhora

Ele, um homem de negócios do ramo financeiro. Ela, artista plástica e bailarina. Mesmo com profissões tão distintas, o casal dividia o ideal de construir um lar cosmopolita, cheio de vida e personalidade. No bairro dos Jardins, em São Paulo, o imóvel de 108 m² revela que apesar das diferenças, o casal compartilha diversos gostos e interesses, como a paixão pela música, livros e filmes clássicos.Na proposta do arquiteto Marcos Contrera, cada uma dessas características ganhou um espaço especial no projeto da nova moradia.

Por causa do trabalho, os proprietários moraram por um ano em Santiago, no Chile, e outros quatro anos em Nova York, nos Estados Unidos. Além de uma sólida bagagem cultural, acumularam também objetos de decoração e até mesmo alguns móveis étnicos, principalmente chilenos. As cadeiras vermelhas da sala de jantar, por exemplo, foram adquiridas em Nova York e são originais dos anos 1960. Diante das cadeiras, uma parede foi pintada de modo a se tornar uma lousa, o que permite à moradora treinar seus dotes artísticos. Por sinal, boa parte das obras no apartamento é de autoria dela.

Entre as intervenções arquitetônicas necessárias para atender aos desejos da dupla, foi eliminada uma parede da cozinha para integrar a área das refeições aos demais ambientes de convívio social. “Ainda abrimos um dos quartos para aumentar a sala”, conta Contrera. “O amplo espaço remete ao clima loft, que relembra o estilo de vida e moradia de Nova York”, completa o arquiteto. E como o imóvel era antigo, também foi inevitável readequar toda a parte elétrica e hidráulica.

Para aumentar a sensação de amplitude e contribuir com o clima metropolitano, a escolha para o revestimento de todo o apartamento recaiu sobre o piso cimentício. Mas alguns detalhes foram fundamentais para quebrar sua frieza, como o moderno tapete listrado que forma um par ousado com a mesa de centro laqueada de amarelo. E de forma atrevida, mas charmosa e acolhedora, completam a sala um banco indonésio turquesa e um sofá com tecido florido.

A estante com nichos irregulares e vazados tem dupla função. Além de guardar a coleção de livros e máquinas fotográficas, separa o living do home theater. Na sala de home theater, o clima de cinema predomina, já que na parede há um telão fixo. O sistema de som e imagem foi pensado especialmente para o ambiente. “E ali funciona também um pequeno escritório, onde se destaca a cadeira Louis Ghost”, conta Contrera.

As paredes das salas foram revestidas com placas de drywall e as portas e painéis de laca grafite são destaques também na cozinha. Mas para aquecer um pouco mais este último ambiente, foi feito um patchwork de ladrilho hidráulico na parede frontal, acima da bancada de granito. “E o mobiliário preto conversa com a geladeira dos anos 1960”, diz o arquiteto. A peça, original, só teve que ter o seu motor trocado para consumir menos energia.

Além do home theater que funciona como escritório e da lavanderia que pode ser usada como home-office, o único banheiro com chuveiro pode ter dupla função e também ser usado como lavabo. O espelho foi adquirido em um brechó de móveis e uma cortina divertida de plástico e tecido separa o box. O clima de irreverência também pode ser percebido quando se precisa fazer uma ligação. O único telefone fixo da casa é um “orelhão” antigo, vermelho, que funciona normalmente para fazer e receber chamadas.

Por fim, mas não menos importante, a suíte do casal também recebeu tratamento especial. Algumas paredes foram demolidas para dar espaço a uma sala de banho, desejo da moradora. A banheira clássica, o piso de ladrilho, a bancada da pia e até a cama dão um ar retrô romântico ao ambiente. Numa casa bem particular, onde o despojamento e a graça estão por todo canto, uma pitada de romance é essencial.