Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

"Não faço filme pensando em Oscar", diz José Padilha

O diretor também falou que não tem a intenção de filmar o terceiro 'Tropa de Elite' somente pelo dinheiro

CARAS Digital Publicado em 27/02/2014, às 11h14 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

José Padilha é o entrevistado de Marília Gabriela no SBT - Carol Soares/SBT
José Padilha é o entrevistado de Marília Gabriela no SBT - Carol Soares/SBT

O diretor José Padilha será o entrevistado de Marília Gabriela em seu programa no SBT no próximo domingo, 2.

Após dirigir o remake de RoboCop em Hollywood, o diretor contou que não pensa em fazer um filme pensando somente em ganhar o Oscar -- o maior prêmio do cinema mundial. "Não faço filme pensando em Oscar, mas sim na história que quero contar. Facilita, abre portas, mas acho que nenhum diretor faz filme pensando só nele", disse.

+ Astros internacionais brilham na pré-estreia de Robocop no Brasil

Questionado sobre o faturamento do longa nos cinemas mundiais, Padilha acredita no potencial de sua obra. "O filme vai ganhar bastante dinheiro. Queria fazer um filme político e que discutisse essa automatização das armas", contou.

Padilha afirmou ainda que o super herói retratado em RoboCop não desperta o interesse dos jovens nos dias atuais. "Eu sabia que o Robocop seria um filme difícil por ser cult e ter uma legião de fãs. Todo adolescente quer ser o Homem de Ferro, ninguém quer ser o Robocop. Ele é muito mais próximo do Frankenstein do que do homem", disse.

+ Protagonista de 'RoboCop' visita o Maracanã em dia da clássico

De acordo com o diretor, não foi diferente dirigir os atores Wagner Moura e Joel Kinnaman. "Eles gostaram da ideia de fazer um filme fora dos moldes de super-herói. Só tenho medo de dirigir ator ruim. Eu acho que o que mais me ajuda a fazer cinema é ler muito. O cinema, antes de ser uma arte visual, é uma arte narrativa", declarou.

Por fim, Padilha comentou sobre os desafios de se fazer cinema no Brasil e uma possível continuação do blockbuster Tropa de Elite. "Fazer cinema no Brasil é um ato heroico. Quem faz é por amor mesmo. Já falei o que tinha para falar sobre violência. Não vou fazer só para ganhar dinheiro, tenho que fazer porque significa algo para mim. Em Tropa de Elite entrevistei mais de trinta policiais. O tipo de polícia que cada sociedade tem fala muito sobre ela", finalizou.