Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARAS

Kat Torres conquista Hollywood: 'Quero ganhar um Oscar'

A modelo paraense deixa para trás polêmica envolvendo Leonardo DiCaprio e foca na carreira de atriz em Los Angeles. Em bate-papo com CARAS Digital ela lembra os momentos difíceis da carreira e conta como é a vida na glamourosa terra do cinema

Kellen Rodrigues Publicado em 23/12/2014, às 14h12 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

Kat Torres - Willian Bichara/Divulgação
Kat Torres - Willian Bichara/Divulgação

Kat Torres tinha apenas sete anos quando teve seu primeiro contato com o palco. A paixão foi imediata e ali ela soube: era o que queria fazer para o resto da vida. Mas as coisas não são fáceis para uma menina de família humilde do interior do Rio de Janeiro. Soma-se aí uma forte timidez e nenhum interesse em explorar sua beleza na carreira de modelo.

“Minha irmã participava de todos os concursos de beleza da cidade e foi assim que ela ganhou bolsas escolares entre outras coisas. Como éramos uma família muito pobre, minha mãe achava que era uma boa ideia para o meu futuro”, conta. Ela venceu seu primeiro concurso de beleza aos sete. Mas foi só aos 13, após a insistência da mãe, que fez seu primeiro book. As fotos foram enviadas para uma agência sem que ela soubesse e a carreira de modelo começou. “No início fiquei muito brava, porque as pessoas estavam sempre fazendo isso comigo, me colocando em concursos e em competições contra a minha vontade. Se dependesse de mim eu não saia nem do meu quarto”, lembra.

Convencida de que o trabalho como modelo lhe ajudaria a pagar os estudos como atriz, ela investiu na profissão. Hoje, aos 23 anos, Kat mora em Los Angeles e começa a chamar a atenção dos poderosos de Hollywood.

Em bate-papo com CARAS Digital ela conta os momentos difíceis que passou – sem ter dinheiro para comida ou transporte para ir aos castings, por exemplo - e a polêmica ao ser apontada como affaire de Leonardo DiCaprio. Ela também fala sobre o glamour dos red carpetes em Los Angeles e assegura. “Não existe teste do sofá”. 

Passando frio na Europa

Kat nasceu em Belém do Pará em um lugar que, como ela diz, ‘mais parecia uma floresta’ - em sua casa tinha nada menos que 47 gatos, entre outros bichos de estimação pouco convencionais, como uma aranha caranguejeira e um sapo cururu. A lista de lugares onde morou é extensa, sobretudo depois que passou a investir na carreira de modelo, o que incluiu Alemanha, Espanha, Portugal e França. “Foram muitos os perrengues. A falta extrema de dinheiro. Ter que comer miojo por um mês por não ter dinheiro para comprar outra coisa, viver em um apartamento com dez modelos em São Paulo, dormir no chão por meses”, conta Kat. “Passar muito frio na Europa tendo que andar pros castings, às vezes por falta de dinheiro para pegar ônibus debaixo de um frio de -20 graus”, lembra.

Em 2013, estabilizada como modelo, deixou a Europa rumo a Nova York com a intenção de mudar o rumo de sua vida e focar nos estudos como atriz. “As carreiras são totalmente o oposto. Fiquei tão confusa que entrei em depressão, por meses eu não falava com ninguém. Não entendia muitas vezes o que estava acontecendo comigo, chorava por dias sem parar e tudo isso fazia parte do processo no qual os meus professores estavam me colocando pra que eu me tornasse o que eu queria. E o estranho era que mesmo com tudo isso, pela primeira vez na vida eu tinha me encontrado, sentia que tinha achado o meu lugar no mundo”.

O sonho de Hollywood

Kat comemora seu primeiro trabalho em Hollywood, uma participação no filme Street. Para o próximo ano ela será protagonista de dois longas. “No filme "Palermo", que vai ser gravado ano que vem, eu represento uma menina russa que foi raptada. É um drama que chama a atenção ao problema mundial de tráfico humano. O meu personagem é muito complexo, sofreu muitos abusos. E como o personagem é russo eu tive que estudar o dialeto russo, que é uma língua que eu já falava, mas tive que fazer um sotaque russo, e os trejeitos de uma pessoa russa, que são completamente diferentes do nosso brasileiro”, conta. “E o filme que eu estou super ansiosa e entusiasmada é o "Fairytale"(Conto-de-fadas). A história desse filme é lindíssima. O filme trata de temas como o poder feminino sobrepondo as dificuldade que as mulheres ainda encontram, e como acreditar sempre nos seus sonhos, não importa o quão impossível eles pareçam. O filme vai ser gravado no Sul da França em um castelo, e conta a história de oito mulheres já na faixa dos 80 e de um anjo que aparece como fada madrinha para mudar a vida delas com muito humor e fantasia”, diz Kat, que dará vida ao anjo.O filme chegará aos cinemas em 2016.

“A minha vida em Los Angeles é só estudar, meditar e trabalhar. Quase nunca tenho tempo de fazer nada mais. Faço caminhadas nas montanhas e escuto os livros do Paulo Coelho nas poucas horas vagas. Mas a verdade é que Los Angeles é uma cidade onde o seu nome tem que ser trabalho. As pessoas aqui têm que estudar e trabalhar 24 horas, sete dias por semana se elas querem chegar a algum lugar como ator. E a competição aqui é tão grande que se você se focar realmente na sua carreira você não vai ter nem tempo de dormir ou de comer. Que dirá de sair para balada”.

Sem teste do sofá

Segundo ela, é difícil para uma brasileira conquistar seu lugar no concorrido mundo hollywoodiano. “Só não vou dizer impossível porque nada é impossível. Mas além do estilo de representar aqui ser bem diferente, como em cada país é diferente, tem o problema da língua. Uma pessoa tem que entender muito bem um idioma pra conseguir representar naquela língua”, diz. “Falo cinco idiomas, mas ainda não consegui fazer o sotaque americano, e as pessoas me cobram muito por isso”.

Mesmo assim, ela afirma não sentir preconceito. “Recebo muito amor. Todas as vezes que eu falo de ondevenho, as pessoas abrem um sorriso enorme e sempre contam histórias sobre o Brasil. É uma coisa impressionante de se ver, o amor que o estrangeiro tem pelo Brasil e pelo povo brasileiro, isso não existe com mais nenhum povo no mundo. É realmente especial”, diz.

“A verdade é que aqui em Hollywood eles realmente veem e agem assim. Você vai escutar o tempo todo na rua as pessoas dizendo com um sorriso no rosto "Hollywood, where the dreams come True" (onde os sonhos se realizam), elas realmente tratam o cinema com todo glamour e respeito que merece ser tratado. Por isso eu sinto que Hollywood é um lugar mágico, porque aqui é uma cidade onde literalmente só moram artistas. E todos são do ramo, todos são atores, do taxista, ao garçom, ao banqueiro, à moça da limpeza. Todo mundo! Então todo mundo é maluco e se entende”, diz. “As pessoas falavam muito para eu não vir pra cá, e me falavam umas coisas sem sentido. Uma delas é o famoso "teste do sofá" como a gente chama aí no Brasil. Bem, em poucas palavras, isso não existe em Hollywood. Ponto. Simplesmente não existe. As pessoas aqui estão ocupadas demais tentando fazer o sonho delas se tornar realidade, os diretores e produtores aqui são superprotetores dos seus projetos, dos seus filmes... Eles não aceitariam mudar o projeto nem por muito dinheiro, que dirá por sexo”, afirma. “Todos os atores que chegam a algum lugar em Hollywood, chegam por mérito mesmo, o que é uma coisa que me enche de orgulho e esperança, já que nós sabemos que alguns ramos e mercados são tão corrompidos”.

Leonardo DiCaprio

Em 2013, Kat viu seu nome ganhar os noticiários internacionais ao ser apontada como affaire do ator Leonardo DiCaprio. O romance nunca foi confirmado por ambos. "Eu sou muito discreta ao falar no nome de qualquer pessoa, e fiquei muito triste na época com o que aconteceu. Foram tantas mentiras e coisas inventadas e toda essa história me prejudicou bastante. Não só como profissional, mas como ser humano também", desabafa. "A única coisa que eu disse sobre ele na época, e é o que eu vou continuar dizendo agora, é que ele é uma pessoa incrível, um ator incrível e um ídolo pra mim. Jamais usaria o nome dele ou o de ninguém para me promover, porque eu acho que já cheguei longe demais sozinha pra fazer algo desse tipo agora", concluiu. 

"Talvez eu tenha sido ingênua, mas eu não acho que eu vá ser jamais maliciosa o suficiente pra lidar com esse tipo de situação. Difamaram o meu nome e me chamaram de mentirosa, disseram até que ele disse coisas que ele nunca disse também. Ou que pessoas próximas a ele disseram coisas. Aquilo foi tudo mentira, tudo inventado. Alguém teve interesse nisso, e alguém ganhou com isso, mas esse alguém com certeza não fui eu. E eu nunca falei nesse assunto com ninguém, nem mesmo com os meus amigos".

Muito trabalho em 2015

Nos projetos para 2015 está uma peça de comédia no Brasil. “A peça vai mostrar como a Kat lida com situações quando ninguém está olhando”, diverte-se a atriz, que faz sucesso no Instagram com o perfil Coisas da Kat e no Facebook com a página Essa é a Kat.

Questionada sobre o que espera de seu futuro profissional, ela revela metas nada modestas. "Bem, eu quero ganhar o Oscar de melhor atriz, e o mais rápido possível”, diz aos risos. “Para mim, poder representar o Brasil aqui fora e fazer bem o meu trabalho como atriz é o meu maior objetivo. Quero servir de exemplo pras pessoas, quero que elas tenham esperança, que não importa o quão grande ou absurdo o seu sonho pareça, se você trabalhar duro, fizer a sua parte e principalmente não dar ouvidos aos seus medos, você chega lá”, diz.

Solteira, a intenção é focar totalmente no trabalho. “Sou uma pessoa muito romântica e apaixonada pela vida! Mas é bem difícil manter um relacionamento quando você não tem tempo nem para você mesma. Gosto de viver relacionamento de conto de fadas, que você se doa totalmente para a pessoa, faz provas de amor etc. Mas é bem difícil, porque quando estou namorando geralmente vejo a pessoa uma vez por mês ou, às vezes, até menos pela falta de tempo”, explica.