Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARAS
Cinema / Das telas para a vida real!

Jeniffer Nascimento, Felipe Araújo e Filipe Bragança comparam suas vidas com a história de 'Encanto'

Jeniffer Nascimento, Felipe Araújo e Filipe Bragança usaram situações do filme para lembrar momentos de suas vidas

Valentina Rosa Publicado em 30/11/2021, às 13h39 - Atualizado às 13h47

Dubladores de Encanto comparam suas vidas com a história do filme - © 2021 Disney. All Rights Reserved
Dubladores de Encanto comparam suas vidas com a história do filme - © 2021 Disney. All Rights Reserved

O filme Encanto já um sucesso no Brasil! Logo em seu primeiro final de semana nas telonas de todo o país, o longa liderou as bilheterias e vem mostrando que será mais um dos clássicos da Disney. 

Contando a história da família Madrigal, que mora em uma casa mágica escondida nas montanhas da Colômbia, o filme tem como protagonista Mirabel, a única de toda a família que não foi abençoada com um poder. 

Esse tema central foi abordado durante uma entrevista mais que especial que a CARAS Digital teve com os dubladores brasileiros do longa, Jeniffer Nascimento (28), Felipe Araújo(26) e Filipe Bragança (20), que aproveitaram para comparar o enredo do filme com situações de suas vidas. 

Mirabel se sente muito diferente dos membros de sua família e isso já foi sentido por todos nós em algum momento da vida Jeniffer lembra que em sua casa, sempre foi a única que queria seguir carreira artística: "Na minha família eu sempre me sentia diferente porque eu era a única que tinha esse sonho de ser artista. Eu não tinha nenhuma referência de ninguém, de por onde começar e vim de uma realidade onde não sabia ser possivel alguém dos nossos chegar. Isso já me fazia me sentir muito diferente e pensar: 'Cara, será que é real mesmo? Será que eu vou ter futuro mesmo?' Acreditando em uma coisa que ninguém de perto de mim acreditou."

Ela também contou que durante a época da escola viveu questões de diversidade, por ter pouco convívio com pessoas pretas: "Eu estudava em uma escola particular onde eu era uma das pouquíssimas alunas pretas, mas isso nunca foi um empecilho pra mim porque é isso, eu sempre fui uma criança muito comunicativa, muito extrovertida, então eu fui sempre muito rodeada de amigos e a minha família não falava dessas questões raciais comigo. Isso nunca foi uma coisa que me brecou para socializar ou pra ocupar o espaço. Essa diferença graças a Deus nunca me intimidou. Eu sempre consegui ver diferenças como um ponto positivo na vida."

Filipe, ao contrário da colega de elenco, sempre teve uma família muito artística e acha que, por começar a trabalhar ainda muito jovem, teve um amadurecimento mais rápido do que o de seus amigos: "Eu comecei a trabalhar muito cedo. Então eu acho que eu desenvolvi uma maturidade e um jeito de enxergar o mundo e a vida mesmo de um jeito diferente de amigos, de gente que estudava comigo. Aí eu já me senti deslocado. Eu tenho um amigo que realmente eu levei pra vida! Porque você vai se desenvolvendo e se descobrindo diferente e aí você acaba não criando laços tão fortes com as pessoas."

"Até que eu comecei a crescer e eu fui entendendo que eu vou formando famílias diferentes em cada projeto que eu participo. A nossa profissão tem essa vantagem. Você pode se sentir meio deslocado em alguns lugares, mas você sempre vai descobrindo novas famílias em cada projeto.", continuou ele, emocionado. 

Para Araújo, a situação foi viver em uma família diferente, onde seus pais já eram separados durante sua infância e seus irmãos não conviviam com ele diariamente: "Meus pais são separados desde que eu tinha 1 ano e meio de idade. Minha mãe se casou outra vez e meu pai já tinha dois filhos e depois teve mais um, então eu tenho 5 irmãos, nenhum irmão é por parte de pai e mãe. Então eu estava sempre no eixo entre as duas famílias. Isso foi no começo, na minha adolescência isso foi um pouco complicado de entender. Mas depois a gente vai entendendo como funciona a vida."

"Eu sempre fui muito apaixonado pela minha família e hoje eu vejo como a gente é farinha do mesmo saco. A gente está sempre muito unido e basicamente é o que o filme passa, de uma família muito unida, independente de qualquer coisa. A Mirabel pra mim é a mais forte de todas e mesmo ela não tendo nenhum dom especifico eu acho que um dos principais dons dessa família é a coragem dela. Eu sempre tive muita coragem e sempre admirei quem tem muita coragem.", continuou ele até ser interrompido por Filipe que completou: "Eu acho que essa é justamente a moral da história do filme que é você ser diferente mas abraçar essa diferença"

O trio também não perdeu tempo e falou quais dos poderes do filme eles gostariam de ter. Filipe Bragança logo disse que queria ser como o seu personagem Camilo, para se transformar em todos: "Eu teria o meu poder, eu me transformaria em outras pessoas. Eu sou muito fã do Homem Aranha e assim, se eu pudesse ser o Homem Aranha eu acho que eu teria os poderes do Homem Aranha.Pelo menos uma vez opor semana eu sonho que eu sou o Homem Aranha.". Jeniffer interrompeu o amigo e brincou: "Ou seja, você seria mesmo o Camilo porque o Camilo poderia se transformar no Homem Aranha.". Sem pensar ele concordou: "Eu ia me transformar no Tom Holland e interpretar o Homem Aranha. É isso!"

Em seguida, Jeniffer falou do seu poder, também se referindo a sua personagem, Dolores: "Esse poder de se transformar deve ser muito legal, mas eu também teria o poder da Super Audição pra eu poder me antecipar em algumas coisas, saber quem está sendo verdadeiro comigo. Acho que é uma exelente proteção você ouvir tudo."

Já Araújo foi um pouco diferente e revelou que gostaria de ser como Antônio, um pequeno membro da casa Madrigal que tem o dom de falar com animais: "Eu queria ter todos, um pouquinho de cada um. Mas o mais impressionante de todos, que eu mais gostaria pra vida é poder conversar com os animais, como o Antônio. Porque eu sou apaixonado pela natureza, pelos animais".

"Eu moro em um condomínio que eu recebo visita de várias espécies em casa, todos os dias e eu fico amarradão nisso porque eu acho lindo isso da natureza. Acho que os animais têm muito para ensinar para a gente. A gente tem muito a aprender com os animais, com certeza. Se eu pudesse conversar com os animais, eu queria esse dom.", finalizou o sertanejo.