Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS
Cinema / ALEXANDRE AVANCINI

Diretor de Uga Uga troca novelas por cinema e investe em longa de zumbis na Amazônia

Alexandre Avancini, que dirigiu Uga Uga, se mudou para Los Angeles e tem como foco produções em Hollywood

Arthur Pazin

por Arthur Pazin

apazin_colab@caras.com.br

Publicado em 04/03/2023, às 06h30

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Alexandre Avancini e Cláudio Henrich, de Uga Uga, em gravação de curta norte-americano - Reprodução/Instagram
Alexandre Avancini e Cláudio Henrich, de Uga Uga, em gravação de curta norte-americano - Reprodução/Instagram

‘Uga Uga’ chegou ao catálogo do Globoplay, nos últimos dias, para matar as saudades de fãs. A trama de Carlos Lombardi contou com direção geral de Alexandre Avancini, ex-diretor da Globo e da Record, que nos últimos anos trocou as novelas pelo cinema e trabalha no investimento de um longa de zumbis em plena selva amazônica.

Em entrevista à CARAS Brasil, o diretor de 'Uga Uga'conta que chegou a Los Angeles em meados de 2019 – ano em que pediu demissão da Record após emplacar novelas de sucesso como ‘Os Mutantes’ e ‘Os Dez Mandamentos’ – para trabalhar ao lado de um sócio norte-americano. Na ocasião, a negociação envolvia a produção de uma biografia sobre o cantor francês Maurice Chevalier, obra que precisou ser interrompida por conta da pandemia do coronavírus.

Outros projetos também foram afetados pelo período da quarentena. Mesmo assim, Avancini segue em busca da carreira em Hollywood. Entre os desafios, o diretor de novelas e filmes aponta a adaptação à cultura cinematográfica da terra do Tio Sam.

"Nos Estados Unidos, se o seu roteiro não está formatado com a fonte adequada, vai pro lixo, seja a ideia que for, seja uma obra-prima", explica. Para resolver a questão, ele trabalha, desde 2020, com o roteirista norte-americano Adam G. Simon e conta também com o apoio de Carolina Viana, ex- head de aquisições da Netflix, para tirar do papel, neste ano, Zombie Rio’.

O projeto consiste no primeiro longa de terror de zumbi com pegada ecológica. A produção norte-americana contará a história de uma empresa farmacêutica dos Estados Unidos, que se envolve com xamãs na Amazônia brasileira.

Além da cidade tomada por zumbis, a obra abordará defesa das florestas e ecologia. "Americano gosta de assistir filme em que o americano esteja vivenciando uma experiência nova e eles adoram o tema Amazônia", analisa Avancini, que afirma já estar em negociação com investidores.
"O elenco será norte-americano, mas contará com participações brasileiras já conhecidas no mercado americano", adianta o diretor.

BRASILEIROS NA GUERRA DA UCRÂNIA

No ano passado, Alexandre Avancini rodou no estado do Rio de Janeiro ‘War and peace’, produção em curta-metragem que trata sobre a Guerra da Ucrânia. Com participação da atriz americana Marie McHugh e de brasileiros como Cláudio Henrich, Letícia Medina, Jessika Alves, Tammy Di Calafiori, Rayanne Morais, Talita Maia e Victor Pecoraro, a obra caminha para virar longa e contará com um investimento de 2 milhões de dólares.

‘UMA NOVELA QUE NÃO ESTÁ NO GIBI’

Apesar dos pedidos recorrentes e de uma das maiores médias em audiência de novelas da faixa das 19h da Globo nos anos 2000, ‘Uga Uga’ nunca foi reprisada. O folhetim, anunciado à época como "uma novela que não está no gibi", foi a estreia de Avancini como diretor-geral de uma trama.

O profissional, que vinha da equipe de direção de novelas de sucesso da Globo como ‘Quatro por Quatro’ e ‘Por Amor’ conta à CARAS Brasil que vivenciou experiências inusitadas na ocasião de ‘Uga Uga’. "Foi um trabalho muito bacana e a novela arrebentou. Fomos para o Xingu fazer laboratório por 15 dias com o cacique Aritana", relembra o profissional.

Cláudio Henrich como Tatuapu em 'Uga Uga'
Cláudio Henrich como Tatuapu em 'Uga Uga' (Foto: Reprodução/Globo)