Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Diretor David Lynch revela os benefícios da meditação

CARAS Digital Publicado em 20/10/2014, às 11h32 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

David Lynch - Getty Images
David Lynch - Getty Images

Em entrevista para a Revista The Talks, o criador da série norte-americana Twin Peaks – que retorna para a televisão em 2016 e ganhará um livro em 2015 – declara: “A humanidade não foi feita para sofrer. Devemos ser felizes”.

Mr. Lynch, você aderiu a meditação transcendental por excesso de raiva?
Não, percebi que tinha uma raiva. Muitas pessoas têm raiva e eu era uma delas. E os raivosos descarregam sua raiva em outros. Eu estava direcionando para minha primeira esposa. Comecei a meditar e, duas semanas depois, minha mulher veio e disse: "O que está acontecendo?". Eu disse: "O que você quer dizer?". E ela: "Onde está aquela raiva toda?" Muitas vezes, quando as pessoas começam a meditar, elas não veem a mudança. Mas os que estão ao seu redor notam a mudança.

Esta foi a razão de escolher a meditação, então?
Comecei esta prática em 1973. Naquela época, existia a ideia de que o ser humano poderia alcançar a iluminação. Muitos afirmam que a meditação é como correr ou como quando você fica deitado no sol na praia. Isso mostra um enorme mal-entendido sobre o que é meditação. É, na verdade, uma maneira de ir para dentro. De acessar todo o caminho de dentro para alcançar o nível mais profundo da vida, a transcendência, o absoluto, a totalidade e a realidade. O ser humano é feito para viver esta experiência.

Você acha que você é um artista melhor, porque seus filmes são dirigidos por uma consciência mais elevada?
Não sei. Você pode pegar ideias em um nível mais profundo quando você começar a meditar. A intuição cresce, e ela é a ferramenta número um para um artista - sentido e pensamento combinados. Quando você está trabalhando em uma pintura, você faz o que você sabe e você aproveita esse momento. Acontece da mesma forma com os filmes. O prazer do trabalho aumenta, o prazer de tudo aumenta. As ideias vão fluindo, e a sensação de que você pode fazê-lo sentir-se correto. Você sabe o que é. É um saber que cresce. É muito bonito.

Você ainda fica chateado ou deprimido de vez em quando?
Você ainda pode entrar em uma onda de depressão ou ódio. E é tudo relativo. Mas o grau é cada vez menor. Assim, o sofrimento começa a ir embora. A humanidade não foi feita para sofrer. Felicidade é a nossa natureza. Devemos ser felizes. E é o fazer das coisas, o prazer de viver, que é muito mais intenso quando você tem essa felicidade de crescer.

Você pode ser mais específico sobre como isso afeta sua vida diária?
Os acontecimentos da vida permanecem os mesmos, mas o modo como você pode passar por eles certamente fica melhor. No meu filme Dune, a experiência poderia ter acabado comigo. Foi tão horrível. Mas a meditação me impediu de saltar do penhasco. Há um ditado que diz: 'O mundo é como você é'. Você pode usar óculos sujos verde-escuros, e esse é o mundo para você. Ou você pode começar a mergulhar dentro de oceanos e experimentar sem limites e experimentar a pura consciência da felicidade, criatividade, inteligência. E essa será a forma como o mundo vai olhar para você. E fica melhor.

Leia a entrevista na integra, aqui.