Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Dani Winits e Jonatas Faro

No Castelo, cumplicidade com a gravidez de 2 meses

Redação Publicado em 05/10/2010, às 11h00 - Atualizado em 07/06/2012, às 23h25

Os atores contam que serão pais de um menino. Em Tarrytown, a 40 minutos de Manhattan, a atriz, que já é mãe de Noah, define seu momento atual como de muita realização. - FOTOS: CADU PILOTTO; PRODUÇÃO: CLAUDIO LOBATO; AGRADECIMENTOS: CARMIN
Os atores contam que serão pais de um menino. Em Tarrytown, a 40 minutos de Manhattan, a atriz, que já é mãe de Noah, define seu momento atual como de muita realização. - FOTOS: CADU PILOTTO; PRODUÇÃO: CLAUDIO LOBATO; AGRADECIMENTOS: CARMIN

Ultimamente, Jonatas Faro (23) não cansa de agradecer sua amada, Danielle Winits (36), por fazê-lo o homem mais feliz do mundo. O motivo é a descoberta da gravidez de dois meses da atriz."Vamos ser pais de um menino", comemorou Jonatas no Castelo de CARAS, em Tarrytown, New York. "Ter um filho é a experiência mais rica que um ser humano pode viver. Estou em momento de muita luz", exaltou Danielle, que já é mãe de Noah (2), do casamento com Cássio Reis (33), de quem se separou em março deste ano. Cerca de um mês e meio após o rompimento, a atriz iniciou seu romance com Jonatas, seu companheiro de palco no musical Hairspray, dirigido por Miguel Falabella (52). O casal confessou que a afinidade foi imediata. "Somos extremamente parecidos", afirmou ele. "São esses tipos de encontros verdadeiros que fazem a vida valer a pena", desmanchou-se Danielle, que após a gestação de seu segundo herdeiro planeja atuar com o namorado no espetáculo da Broadway Xanadu. Enquanto isso, Jonatas tem pela frente uma agitada agenda profissional. Ainda este ano, inicia as gravações da próxima novela global das 8, Insensato Coração, de Gilberto Braga (63), e estreia o filme Aparecida, de Tizuka Yamazaki (57). "Não posso reclamar. Me sinto realizado em todas as áreas", celebrou o ator. - Como reagiram ao saber da gravidez? Jonatas - Fiquei muito feliz. Danielle - Nunca idealizei se teria um, dois ou três filhos. Mas desejava, sim, encontrar alguém na mesma sintonia que eu para compartilhar a emoção do amor incondicional de novo. - Dani, com Noah e mais um bebê a caminho, se sente mais completa como mulher? Danielle - Com certeza. A maternidade preenche a vida. Depois que se tem um filho, não há como acordar sem um sorriso no rosto. Você se transforma e entende o porquê da sua existência. - Como é a Danielle mãe? Danielle - Sei que a disciplina é importante, criança pede limites. Mas não acredito em quartel general e repressão. Quero que meus filhos possam viver intensamente suas fases, andar com o pé no chão e ter contato com a natureza. Por isso, estou me mudando para uma casa. Fica em um condomínio arborizado, com quadra esportiva, cachoeira e muitos cachorros. - Você tinha vontade de adotar uma criança. Ainda quer? Danielle - Hoje, mais do que nunca. E não precisa ser necessariamente um bebê. Quando fiz o primeiro aniversário de Noah em um orfanato, confirmei que quanto mais velha a criança mais difícil ser adotada. Quando for escolher a minha, não darei importância a isso. Para mim, adoção é um processo interno. E para praticá-la só falta acontecer esse encontro, sentir que eu e a criança fomos predestinadas uma para outra. - Jonatas, você é romântico? Jonatas - Não sei, acho que é melhor a Dani responder (risos)... Danielle - Na verdade, não faz nosso estilo romantizar muito. Nossa essência é mais realista. Uma vez, eu e Jonatas estávamos conversando e falamos ao mesmo tempo que tínhamos vontade de tirar alguns meses do ano para ficar em um acampamento ajudando pessoas que nunca tiveram nada na vida. Nossas afinidades percorrem esses ideais. Não almejamos viver o clássico romance do príncipe e da princesa. Queremos nos nutrir de histórias reais. Há uma certa artificialidade nas pessoas que dizem que suas vidas são um mar de rosas. Somos de carne e osso e estamos muito mais interessados em olhar para o mundo do que para o próprio umbigo. - Que características despertaram o interesse entre vocês? Jonatas - Dani é uma pessoa maravilhosa. Até trabalhar com ela é ótimo. É centrada e sabe separar a hora de falar sério do momento de brincadeira. É a mulher que amo. Estamos apaixonados. Danielle - Sua dignidade, hombridade e postura diante da vida. Jonatas tem valores genuínos e nobres. E, hoje em dia, está cada vez mais raro encontrar isso em alguém. As pessoas vão se perdendo em um mundo de ilusões. Mas isso não aconteceu com ele. - O que consideram essencial em um relacionamento? Danielle - A transparência. Jonatas - Não suporto falsidade e desde o começo do namoro, eu e Dani combinamos jogar limpo um com o outro, mostrar o que realmente sentimos. Nosso lema sempre foi falar a verdade. - Como lidam com a diferença de idade de quase 14 anos? Jonatas - Nem a sentimos. Durante toda a minha vida, sempre namorei mulheres mais velhas. Mas isso não foi intencional, apenas a forma como aconteceu. Acredito que pessoas não se apaixonam pela idade ou pela experiência do outro, e sim pela alma. - Dani, esperava ter um relacionamento sério tão pouco tempo após sua separação? Danielle - Não mesmo. Acho que a vida se encarrega de tantas surpresas que é impossível prever alguma coisa. O plano é de Deus e não está em nossas mãos. - Vocês fizeram uma tatuagem no pulso (Dani tem tatuado Love for Johnny e Jonatas, Dani for Love). De quem partiu a ideia? Danielle - Um dia, Jonatas me perguntou se eu o homenagearia com uma tatuagem. Quando eu disse sim, ele imediatamente respondeu: "Então, vamos fazer uma juntos". E nós tatuamos. - Consideram isso uma espécie de prova de amor? Danielle - Não sei se uma prova, mas, sim, a simbologia do nosso encontro. Porque, por mais que nosso relacionamento seja recente, sabemos que o que temos é realmente superespecial. - Como surgiu a paixão de vocês por espetáculos musicais? Jonatas -Minha mãe, Priscila, toca violão. Toda a família dela é musical. Quando criança, meu avô materno, Gilberto,me colocava para assistir a Cantando na Chuva. Ele era muito fã de Fred Astaire, Gene Kelly Eu tinha Grease como meu filme favorito. Com 10 anos, fiz meu primeiro trabalho nesse segmento, em Chiquititas. E quando entrei para Malhação, comentava muito com Daniel Boaventura sobre meu desejo de fazer uma peça da Broadway. Danielle - Sempre dancei balé e jazz. Mas, com 13 anos, assisti ao musical 42nd Street e pensei: "É isso o que quero fazer na vida". Desde então, fui me inebriando cada vez mais desse universo. Fiz o primeiro espetáculo, Band-Aid, em 1994, e não parei mais. Amo TV, mas é no palco que me encontro inteira. - Como foi a experiência de atuar em Hairspray? Jonatas - Considero esse espetáculo um divisor de águas na minha carreira. Foi onde pude mostrar meu diferencial como ator. Musicais exigem muito, principalmente Hairspray, considerado um dos mais difíceis da Broadway, por seu ritmo acelerado. Para fazê-lo, tive que começar a correr cantando, para ganhar resistência. Foi um ano e meio de uma rotina constante. Danielle - Como interpretei uma adolescente, foi vigoroso. Pela composição, acabei resgatando a menina dentro de mim. É um trabalho árduo, mas prazeroso. - Jonatas, como será seu personagem em Insensato Coração? Jonatas - Ainda sei pouco. Farei o mocinho, terei uma namorada, ainda não escalada para o papel, e o antagonista, Thiago Martins, virá para atrapalhar tudo. Também viverei um conflito com meu pai, que será um corrupto. - E o trabalho em Aparecida? Jonatas - A gravação do longa foi emocionante desde o início. É uma história que vai tocar os brasileiros. Faço um ex-viciado em drogas e Murilo Rosa é meu pai. Mas uma curiosidade muito grande aconteceu durante as filmagens. Chamei minha avó materna, Cida, para assistir e ao chegar na casa alugada para locação descobrimos que ela havia morado lá há 60 anos. Quando Tizuka soube, foi comoção geral. São lindas as coincidências da vida. - Gostaram do Castelo? Jonatas - Muito, tudo é maravilhoso. Desde criança sou fascinado por castelos, têm algo lúdico, remetem às fábulas infantis. Quando eu e Dani chegamos, combinamos de nos permitir fazer essa viagem no tempo, embarcar nessa fantasia que o próprio local proporciona. Danielle - Precisávamos de uns dias de descanso mesmo, onde pudéssemos esquecer nossos compromissos, dormir até tarde... E aqui foi o lugar perfeito.