Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Carmo Dalla Vecchia

Em New York, ele fala de suas grandes paixões

Redação Publicado em 13/12/2010, às 16h52 - Atualizado em 07/06/2012, às 23h25

Inspirado pelo clima bucólico de Tarrytown, o ator, que volta ao ar na próxima novela global das 6, brinda às suas conquistas pessoais e profissionais. - CADU PILOTTO
Inspirado pelo clima bucólico de Tarrytown, o ator, que volta ao ar na próxima novela global das 6, brinda às suas conquistas pessoais e profissionais. - CADU PILOTTO

Encantado pelo mundo artístico desde garoto, Carmo Dalla Vecchia (40) sempre soube como encarar desafios para realizar seus sonhos. "Ainda novo, deixei o conforto da casa dos meus pais para ir em busca da minha profissão. Foi um passo muito importante", avalia o ator que, aos 22 anos, mudou-se de Santa Maria, no interior gaúcho, para o Rio, onde vive. Praticante do budismo há mais de 12 anos, Carmo avalia suas experiências com segurança. "Sempre fui um cara que acreditei na vida e tenho muita fé. Eu me permiti ser feliz. E, ainda que não tivesse conquistado o que tenho hoje, eu seria um vencedor", garante o gaúcho, que estará na próxima novela das 6 da Globo, com título provisório de Pisa na Fulô. "Ser ator é tão difícil que, às vezes, penso em ser médico", diverte-se ele, que no Castelo de CARAS conheceu e aprovou o novo Chevrolet Malibu. - Como encara a profissão? - A minha história é conseguir compartilhar com as pessoas e tentar ajudá-las a se desenvolver. Foi para isso que me tornei ator, pois agora tenho a chance de fazer com que elas questionem suas ideias e possam aprender um pouco mais. Acho que todo artista precisa ter a consciência de que ele é um espelho para outras pessoas. - Tem preferência por televisão, teatro ou cinema? - São processos tão diferentes que considero quase três profissões. O básico na interpretação é a verdade, e isso trago dentro de mim. - O que mais gosta de fazer? - Sou extremamente caseiro e organizado. Minha casa é meu parque de diversões. É onde encontro meus prazeres e necessidades. - Você sempre recebeu o apoio dos familiares? - Eles sempre me deixaram muito livre. Como não havia nenhum artista na família, não houve grande incentivo. Eles confiaram em mim, assim tive a chance de adquirir minha independência muito cedo e pude receber lições incríveis. Fico feliz em ver que hoje a minha família tem muito orgulho de mim. - Como é a sua preparação para assumir novos personagens? - Meu corpo e mente precisam de estímulos para que eu consiga contar uma história. Procuro buscar referências em livros, filmes e obras históricas. Cada personagem é um parto doloroso, uma experiência nova. - Você costuma se apaixonar com facilidade? - O que faz com que eu goste de alguém é a cabeça e o coração. Quando isso acontece, sou bastante romântico e sei como cuidar de quem está ao meu lado. Acho que o lado prático de um relacionamento é ser e fazer o outro feliz. - Em sua opinião, o que significa a felicidade? - É ter um coração tão aberto a ponto de se preocupar com o outro. É o meu maior tesouro. Minha história foi construída pelas relações que tive durante a vida. - Você é budista. Como avalia a religião na sua vida? - Às vezes acham que somos sempre calmos e prontos para levitar. Não é assim. O budista é o cara que tem as rédeas da vida em suas mãos e sabe como fazer a diferença. Por exemplo, eu sei quem sou, quais os meus sonhos e arregaço as mangas em busca disso.