Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS
Carnaval / Folia

A seiva da Porto da Pedra

História do iogurte instiga Mônica e Contardo

Redação Publicado em 22/02/2012, às 14h57 - Atualizado às 14h59

No carro abre-alas, A Árvore da Vida, a tigresa amamenta seus filhotes. - caio guimnarães e nilton ricardo
No carro abre-alas, A Árvore da Vida, a tigresa amamenta seus filhotes. - caio guimnarães e nilton ricardo

Abraçadinha ao marido, o psicanalista Contardo Calligaris (63), a atriz Mônica Torres (54) acompanhou em clima romântico a evolução do enredo Da Seiva Materna ao Equilíbrio da Vida, apresentado pela Porto da Pedra, que há 11 anos consecutivos desfila entre as grandes escolas do Rio. “Eu sou uma pessoa de extremos, ou fujo totalmente do carnaval ou fico e me jogo de cabeça neste evento maravilhoso. Este ano, fui até a bloquinhos de rua no bairro do Leblon. Quero que meus dois filhos menores, Stéphanie e Francisco, conheçam nossa festa, nossa cultura”, contou ela, referindo-se aos herdeiros de 11 e 9 anos, respectivamente, do casamento de 13 anos com o galã Marcello Antony (47). De férias da TV desde o fim da novela Ribeirão do Tempo, da Record, no ano passado, ela adiantou  que está com um projeto para uma peça infantil. “Mas é uma coisa mais para a frente”, limitou-se a dizer.

Do camarote, a atriz, que já desfilou na pista do Sambódromo, viu a quebra de uma tradição da escola vermelha e branca de São Gonçalo. Para contar a história do leite e seus derivados, principalmente o iogurte, a agremiação ousou e até deu uma mexidinha no símbolo pela qual é conhecida: o tigre. No carro abre-alas, intitulado A Árvore da Vida, em vez do macho da espécie, o carnavalesco Jaime Cezário levou para a Marquês de Sapucaí a figura de uma tigresa amamentando seus filhotes.

A apresentação da Porto da Pedra, que entrou na avenida disposta a superar o oitavo lugar do ano passado, deu água na boca dos foliões. Além de muito luxo e grandes alegorias, ela resolveu conquistar o público pelo olfato. Durante todo o percurso da concentração à apoteose, um cheirinho gostoso de vários sabores de iogurte podia ser sentido na passarela do samba.