Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARAS
Carnaval / Folia

Jorge Aragão diz que no carnaval 'tudo tem seu tempo e tudo se moderniza'

Após se apresentar em camarote no Sambódromo do Anhembi, o cantor Jorge Aragão falou que, se dependesse dele, ficava a noite inteira cantando

Redação Publicado em 10/02/2013, às 03h59 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

Jorge Aragão - Milene Cardoso / AgNews
Jorge Aragão - Milene Cardoso / AgNews

Depois de cantar sucessos em um show no Camarote Brahma, na madrugada deste domingo, 10, o cantor Jorge Aragão (63) recebeu a imprensa e falou sobre as novas maneiras de se comemorar o carnaval. "Os antigos blocos de carnaval propiciavam outro tipo de levada e de experiência para as pessoas. Eu vi durante esses anos os carnavais de desfile se estreitarem e alongarem as avenidas, principalmente em São Paulo, que facilitou o trabalho das escolas para mostrar suas alegorias no determinado espaço de tempo. Tudo tem seu tempo e tudo se moderniza", diz.

O cantor ainda falou que, se dependesse dele, ficava a noite inteira cantando no camarote. "Brinquei e me diverti mais do que todo mundo que estava assistindo. A vontade é ficar lá no palco cantando ainda mais músicas, dá vontade de colocar tudo, mas não dá", explica.

Nascido em Padre Miguel, o cantor e compositor conta que quando pequeno achava que sempre ficaria naquele meio. "Comecei tocando guitarra em banda de baile. Só quando eu ouvi pela primeira vez a pulsação do samba que entrei pra ele e nunca mais saí. Então, conheci o pessoal do Cacique de Ramos e começamos a fazer alguns eventos toda quarta-feira, e as pessoas começaram a ficar curiosas e irem pra lá assistir", conta.

Carreira
Segundo Jorge, hoje seu caminho artístico é mais como autor do que como intérprete. "Sempre falei pra todos isso. Eu nunca quis gravar e, no início, era muito pesado porque minha voz é muito gutural, para dentro. E com isso meu lado autor fortaleceu bem mais. Projetos novos vêm sempre por aí. Não saio correndo, gosto de sentar e fazer um disco da maneira que eu quero e curto. E disponibilizar, claro, seja por disco, por download, internet, não estou nem aí. Eu quero é fazer a minha parte, que é mostrar a minha musicalidade e mostrar para as pessoas que estou atuante ainda. Tudo na base da simplicidade, para as pessoas entenderem o que você está cantando"