Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Polliana Aleixo curte as Termas de Chillán ao lado do namorado, Renato Beltrão

A atriz falou sobre o relacionamento com Renato Beltrão: "O mais difícil é a saudade. Temos confiança um no outro. Saio com minhas amigas numa boa quando não estamos juntos”

CARAS Digital Publicado em 06/08/2014, às 16h58 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

Polliana Aleixo - Selmy Yassuda
Polliana Aleixo - Selmy Yassuda

Este ano tem sido muito especial para Polliana Aleixo (18). Ela atingiu a maiorida­ de, brilhou no elenco da novela global das 9 Em Família e vive as descobertas do primeiro namoro. “Nunca quis namorar, mas estou adorando ter alguém ao meu lado”, diz a jovem. De férias da TV, a atriz fez sua primeira viagem internacional. O local es­colhido foi Termas de Chillán, no sul do Chile. Os dias na temporada CARAS/Neve tiveram sabor ainda mais especial para ela, que viajou ao lado do eleito, o músico paranaense Renato Beltrão (22), com quem está há três meses. “Estou realizando um sonho de criança de estar na neve. Me sinto em um filme de Natal. Tudo é lindo”, elogia a estrela da nova geração global.

De volta à boa forma após engordar 8kg para interpretar a adolescente Bárbara na novela, Polliana se divertiu na pista de esqui e curtiu momentos a dois com o amado, com quem vive relacionamento à distância. “O mais difícil é a saudade. Temos confiança um no outro. Saio com minhas amigas numa boa quando não estamos juntos”, conta ela.

– Como vai o namoro?

– É muito bom. Estou vivendo um sonho. Nunca vivi isso antes. Nossas famílias aprovaram. Meus pais gostam muito dele. Sou muita apegada à minha família e se eles não aceitassem meu na­moro não daria certo.

– Que tal a primeira viagem internacional com ele?

– Uma delícia. No voo, conversamos muito sobre as nossas vidas. Éramos amigos antes de começarmos a namorar e já co­nhecíamos muitas coisas um do outro, qualquer coisa que acontecia ele contava para mim,  mas agora, sei lá, a gente tem  mais segurança em falar um da vida do outro.

– É ruim namorar à distância?

– O difícil é a saudade. Somos compreensivos e confiamos muito um no outro. Somos amigos acima de tudo. A gente nunca brigou e nunca teve uma discussão sequer.

– Morar longe ajuda a relação a não cair na rotina?

– A gente procura se ver sem­pre, mas o fato de ficar longe va­loriza mais o tempo que temos para ficarmos juntos. Observo os outros casais que brigam por qual quer motivo e acredito que isso desgasta a relação.

– Quais as qualidades dele?

– Ele é carinhoso, educado e cuida de mim. Me sinto protegi­da quando estou com ele. Renato não se abre facilmente, quando faz isso é porque acha a pessoa confiável. Admiro isso.

– Vocês são românticos?

– A gente é bem mais romântico do que eu imaginei que seríamos. Ele toca violão para mim e até fez uma música que teve vergonha de me mostrar. Fiquei emocionada quando ele finalmente cantou.

– Pensa em formar família?

– Ainda não penso muito. Quero muito ter uma história como a dos meus pais. Eles se conheceram e, em dois dias, se casaram e são loucos um pelo outro até hoje. Você olha nos olhos do meu pai e vê que, até hoje, ele é apaixonado pela minha mãe, e ela também. Tenho o sonho de ter uma história assim. Quero muito ser a mãe que minha mãe é e ter a relação que ela tem com os filhos. Quero ter isso com os meus filhos. Meus pais são meus grandes parceiros. Converso com eles sobre todos os assuntos.

– Como foi completar 18 anos?

– Todo mundo fala que não muda nada, mas, para mim, mudou absolutamente tudo. Ganhei uma confiança enorme. Sempre fui muito ‘criançona’, mas agora, com 18 anos, passei a ter uma postura de mulher. Antes, eu era muito expansiva e agora estou mais contida, centrada e equilibrada. Me sinto mais forte para as coisas que eu quero e tenho uma segurança maior de falar o que eu quero e o que penso. Senti a mudança profissionalmente também. Comecei a ir sozinha ao trabalho. Antes, quando saía do estúdio, minha mãe estava lá para me abraçar.

– Seu último papel na novela  teve um sabor especial?

– Acredito que a Bárbara foi um divisor de águas na minha carreira. Foi a minha primeira personagem que não foi vista como criança. Foi muito positivo para mim até pelo desafio de engordar e emagrecer, pois me deu um reconhecimento ótimo e uma seriedade no trabalho.

– Foi difícil emagrecer?

– Tive um tempo para engordar e sabia que depois que acabasse a novela teria que emagrecer logo, até porque quero continuar trabalhando, mas, na verdade, tive que antecipar isso e emagrecer em um tempo muito curto. Não consegui fazer atividade física, mas a correria da novela me deixou ativa e me ajudou muito. Emagreci com acompanhamento ortomolecular do Doutor Marcio Tannure, que me indicou uma nutricionista, e com as comidinhas saudáveis que uma chef de cozinha preparava para mim.

– Continua fazendo dieta?

– Passei a comer direitinho de três em três horas. Gosto de ter horário para comer, com isso o organismo funciona melhor. Assim que voltar de viagem, meu projeto é me matricular em uma academia e malhar todos os dias.

– Tem algum ritual de beleza?

– Sou desencanada. Faço hidratação no cabelo e agora não durmo mais de maquiagem. Tinha essa mania e parei, pois aprendi que estraga muito a pele, muito mais do que a gente imagina.

– Mas você é vaidosa?

– Sou, sim. Gosto de me maquiar e até cílios postiços passei a colocar. Aprendi na novela e é muito louco, pois não consigo colocar sozinha. Gosto de me arrumar, fazer as unhas.