Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Carol Chalita e suas realizações

Em solo argentino, atriz de O Astro exalta suas realizações

Redação Publicado em 13/09/2011, às 13h45 - Atualizado em 08/08/2019, às 15h43

Convidada da temporada CARAS/Neve, a Tânia da novela da Globo brinda ao êxito e conta detalhes curiosos de sua trajetória, como a de ter trabalhado como palhaça em circo. - Cadu Pilotto
Convidada da temporada CARAS/Neve, a Tânia da novela da Globo brinda ao êxito e conta detalhes curiosos de sua trajetória, como a de ter trabalhado como palhaça em circo. - Cadu Pilotto

De morena para loira, os cabelos curtos viraram longos. A mudança radical no visual de Carolina Chalita (30) teve boa razão: o papel em O Astro. A carioca, que despontou em Viver a Vida, também da Globo, deixou qualquer vaidade de lado para interpretar a caixa de supermercado Tânia, amiga de Lili, personagem de Alinne Moraes (28). “Nunca tinha sido loira, originalmente meus cabelos são castanho-claros. Mas adorei, apesar de dar bem mais trabalho. Estou com mega-hair e tenho de fazer hidratação toda semana”, conta Carol, na 12ª temporada CARAS/Neve, em Ushuaia, na Argentina. Casada há cinco anos com o artista circense Vinícius Daumas (37), com quem tem Pedro (5), a atriz, que vai produzir e estrelar a peça Alguma Coisa de Tolstói, se empolgou ao tocar a neve pela primeira vez. “Tinha olhado de longe na Suíça e no aeroporto de Paris, mas nunca tocado. Me motivei para estrear no esqui. Sou obsessiva com o que desconheço. Enquanto não tenho domínio, persisto até conseguir”, avisa, enquanto bebe Coca-Cola Light Plus.

– Como é a vida de casada com um astro do circo?

– Tem humor demais. Os palhaços não encaram problemas como tragédia, mas como uma questão que vai ser resolvida. Vinícius tem uma leveza que me põe para cima. A coisa mais linda que aconteceu em nosso casamento foi a maternidade, quero mais filhos. É uma doação total, só de falar, dá vontade de chorar. Pedrinho é a pessoa em que mais confio.

– Como conheceu Vinícius?

– Iniciei no teatro aos 16 anos. Aos 22, ingressei na Escola Nacional de Circo, queria agregar ferramentas à carreira de atriz. Fui trabalhar como palhaça em uma caravana que viajava pelo Brasil e foi ali que conheci meu marido, que era palhaço também. Ele permanece até hoje, tem um circo. Vivi disso por muito tempo e, embora não me considere uma artista circense, esse universo é importante para mim. Até hoje dou aulas de iniciação para crianças.

– Como é a rotina de vocês?

– O circo é no Rio mesmo, é fixo, então ficamos juntos. E quando viaja, procuro acompanhá-lo.

– Há algum segredo para o sucesso de um relacionamento?

– O nosso é aceitar a individualidade e todas as nossas diferenças para que o outro não se sinta preso na relação. Não queremos que ninguém seja alguma coisa que não é. Estamos casados porque queremos. Então, nenhum dos dois precisa se reprimir, mas sim seguir seus desejos, e o outro deve respeitar.

– Como iniciou na TV?

– Em 2007, fiz a novela Maria Esperança no SBT e depois, Caminhos do Coração, na Record. Então atuei na peça Festa de Família, no Rio, dirigida por Bruce Gomlewsky. Um produtor da Globo viu e me chamou para Viver a Vida, de Manoel Carlos. Eram só 10 capítulos, mas Maneco deve ter gostado e criou uma rica trama para minha personagem, Suzana.