Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Após protagonizar 'Malhação', Alice Wegmann resolve fazer faculdade na área de Comunicação

No Chile, Alice Wegmann fala sobre a experiência de estrelar a novela 'Malhação' e revela qual o seu sonho

CARAS Publicado em 30/07/2013, às 14h54 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

“O meu maior sonho é ser mãe e construir uma família unida como a minha”, revela Alice - Cadu Pilotto
“O meu maior sonho é ser mãe e construir uma família unida como a minha”, revela Alice - Cadu Pilotto

Ela tem rostinho de boneca, mas bastam cinco minutos de conversa para perceber o quão madura e determinada é a atriz Alice Wegmann (17). De férias da TV após protagonizar a novela global teen Malhação, a jovem acredita que sua forma de enxergar a vida deve-se à prática de esportes desde muito cedo. “Fiz oito anos de ginástica olímpica e acredito que a minha determinação tenha vindo daí. Minha mãe era professora de Educação Física e desde pequena fui educada com esportes em minha volta. Treinava sete horas por dia, era bem puxado”, relembra a bela, na Temporada CARAS/Neve 2013, em Chillán, a 400 quilômetros da capital chilena, Santiago.

+ Vips dão o pontapé inicial à temporada CARAS/Neve 2013

+ Apaixonados, Cleo Pires e Rômulo Neto falam da relação: 'Já é amor e nós queremos que dure para sempre'

No Chile, Juliana Silveira afirma: 'Não tenho o sonho de me vestir de noiva. Já casei sete vezes em novelas'

Os dias de descanso foram importantes para Alice se desligar de sua personagem e se preparar para mais um desafio: começar a faculdade de Comunicação Social. “Estou focada nisso. A princípio optarei por Jornalismo, mas ainda não tenho certeza. Meu contrato com a Globo é por obra. Tudo tem seu tempo. Não tenho pressa para nada. Quero fazer o primeiro período do curso tranquila”, comenta Alice, que mostrou destreza no esqui.

+ Alice Wegmann e Louise D'Tuani na pista

+ Alice Wegmann revela que está mais focada no trabalho após o fim dos estudos

+ Rodrigo Simas e Alice Wegmann viram noivos em casamento caipira

– Você tem apenas 17 anos e já viveu várias experiências. Se sente precoce?
– Sempre fui, não precoce, mas acho que eu tinha a cabeça mais formada do que as pessoas da minha idade. Mas nunca vi isso como uma vantagem, sabe? É bom porque aprendi a ter responsabilidade com o trabalho. Tenho um irmão mais velho, então, desde pequena, vivo em um universo em que todo mundo é mais velho do que eu. Sempre convivi com pessoas mais velhas e fui absorvendo coisas delas. Mas nunca usei isso como vantagem, do tipo ‘eu tenho minhas amigas do colégio e sou muito mais madura do que elas’, não tem nada disso. Sempre fui conselheira delas e gostava bastante disso.

– Como você se define?
– Acho que eu sou um pouco de tudo. Sou uma mistura muito grande de coisas. Não tenho muitos momentos raivosos ou tristes. Se existe uma palavra para definir minha vida é aproveitar. Quando tem o aniversário de um amigo, faço os meus votos e digo: ‘Aproveita bastante’. A vida está aí para a gente aproveitá-la. Até das coisas ruins temos de saber tirar algum proveito.

– Onde quer chegar?
– Ainda não sei. Penso em várias coisas, mas quero deixar as coisas acontecerem. O ser humano muda muito ao longo do tempo. Se depender de mim, então, com 60 anos, me imagino atuando, mas não sei como será. A vida vai apresentando muitas coisas  para a gente. Então, o que penso agora é atuar, mas a gente nunca sabe o que vem por aí.

– Qual é o seu maior sonho?
– Me vejo com uma família bem formada. Desde pequena, minha mãe me perguntava o que eu seria quando crescesse e eu respondia que seria mamãe.  Sempre tive esta vontade, é claro  que tudo tem o seu tempo, mas é uma coisa que eu sempre quis ter, uma família tão bonita quanto a minha. A gente é muito unido.

– Como foi protagonizar Malhação?
– Foi uma responsabilidade muito grande, mas tentei levar da melhor maneira possível. Senti que cumpri o meu papel ali dentro. Do início ao fim, deu tudo certo, graças a Deus. Foi bem tranquilo. Foi um desafio, mas um desafio bem gostoso de levar.

– Que tal a viagem ao Chile?
– Fiquei um ano gravando de segunda a sábado. Além disso, tive de conciliar com as aulas, pois estava terminando o colégio.  Foi bem puxado. Estava precisando descansar e relaxar. Aqui estou conseguindo tudo isso. Eu já tinha feito esqui em 2008, mas foi bem básico mesmo. Fiz aulas de novo para relembrar e tive facilidade. Me diverti bastante durante as aulas. Tomei uns dois tombos, mas adorei (risos). A parte engraçada é o tombo mesmo. Mas no dia seguinte já estava descendo as ladeiras. Foi ótimo!