Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Sensação de esgotamento pode ser sintoma da síndrome de Burnout

Telma Ramos Trigo Publicado em 29/01/2014, às 16h30 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

Saúde - Divulgação
Saúde - Divulgação
Ir ao trabalho está difícil ou até mesmo insuportável? Ao chegar lá, o sentimento é de exaustão e de falta de reconhecimento pelo que realiza? Sente que sofre pressão o tempo todo e prefere se isolar? O humor muda bruscamente e a concentração está em baixa? Atenção: esses podem ser sintomas de um distúrbio psíquico causado por tensão crônica no serviço, a síndrome de Burnout.

É inevitável enfrentar momentos de estresse na construção de uma carreira. Todos passam por isso. Mas, se a atenção se volta só para os problemas e o pessimismo passa a interferir na produtividade, no humor e no modo de interagir com os colegas, é bom ficar alerta. Podem ser os sintomas de um quadro de esgotamento profissional conhecido como síndrome de Burnout.

O distúrbio acomete homens e mulheres. Está diretamente relacionado ao ambiente de trabalho e se manifesta pelo esgotamento emocional e  físico, pela desilusão como serviço realizado e pelo distanciamento afetivo dos colegas e/ou clientes. Os três sintomas podem aparecer simultaneamente ou um deles se manifestar primeiro, em geral a exaustão permanente.

As pessoas que têm a síndrome costumam encarar as tarefas diárias com desinteresse e resistem a novidades e mudanças. Pode aparecer uma série de atitudes negativas: preferem dizer não; queixam-se com frequência; têm pouquíssima paciência com colegas e clientes — atendê-los, quando necessário, é um fardo. É comum também acreditarem que não estão sendo recompensadas pelo que fazem: por mais que cumpram suas atividades, não se sentem realizadas.

Há aquelas que falam muito, ou seja, despejam a frustração em tudo e em todos, ou se tornam irritadas com facilidade. Outras ficam apáticas, silenciosas, desatentas, com dificuldade de concentração e lapsos de memória. Em grau mais elevado, a síndrome pode provocar ansiedade, depressão e baixa autoestima. A sensação de que não há saída faz com que a hora de ir para casa seja um alívio.

A síndrome também pode se manifestar fisicamente, causando dores de cabeça e musculares — a região lombar, em geral, é a mais atingida —, distúrbios gástricos como constipação ou intestino solto, cansaço em excesso, palpitação e insônia. Muitas pessoas ficam ainda mais propensas a adquirir infecções.

Cabe ao psiquiatra fazer uma investigação clínica. Diagnosticada a síndrome — depois de descartar alterações hormonais e outras doenças que possam levar ao esgotamento —,ele irá indicar psicoterapia e/ou medicamentos.

A terapia irá ajudar o paciente a entender os mecanismos com os quais está reagindo a esse estresse profissional e oferecer ferramentas para lidar com isso — desde uma conversa com o chefe, se houver essa possibilidade, até ser preparado para pedir demissão, nos casos de ambientes muito opressivos.

Para superar a síndrome, recomenda-se também maior cuidado com a alimentação — evitar produtos com agrotóxico e ingerir menos gordura, açúcares e carboidratos — e melhor qualidade de sono: dormir no escuro, sem interrupção e horas suficientes para acordar de fato descansado. Atividade física é fundamental. No mínimo três vezes por semana e, se possível, alternar exercícios aeróbicos e de força, para fortalecimento muscular.

Já os medicamentos normalmente começam a dar resultado a partir de um mês e, em geral, são usados de seis meses a um ano. Existe ainda hoje o mito de que remédios para o cérebro causam dependência. Isso é desinformação e coisa do passado. Nosso cérebro, como nosso coração e todos os outros órgãos do corpo, tem direito a receber ajuda. Se você cuidar bem dele, ele vai recompensá-lo. Pode ter certeza disso.