Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

A força e a renovação de Laura Wie: “A vida não parou"

Em tratamento contra o câncer, ela raspa a cabeça e retoma agenda

Juliana Cazarine Publicado em 16/06/2017, às 14h24

Laura Wie - Rogério Pallatta
Laura Wie - Rogério Pallatta

A apresentadora e empresária Laura Wie (50) descobriu em março deste ano ter sido acometida por um câncer de mama, que é o mais comum entre mulheres em todo o mundo. “Não tenho casos da doença em minha família. Levo uma vida saudável, não fumo e bebo bem pouco. Nunca passou pela minha cabeça que eu poderia ter câncer. Mas, assim que soube, procurei tratamento imediato”, revela ela, que, após três meses, já está na metade da segunda etapa de seu tratamento. “Fiz uma cirurgia curativa, onde o tumor foi completamente retirado. Felizmente, as células cancerígenas não se espalharam. Não houve metástase”, diz.

Em seu espaço de eventos em São Paulo, o Lady Fina, Laura recebeu CARAS entre suas reuniões agendadas para o dia. “A vida não parou. Não pode parar. As coisas continuaram acontecendo no meu negócio e eu tenho de estar por dentro de tudo”, afirma Laura, que recentemente concluiu o segundo ciclo de quimioterapia. “O oncologista sugeriu que eu fizesse quatro ciclos de quimio. Já foram dois. Depois dessa etapa, tenho acompanhamento e tratamento hormonal durante cinco anos”, conta ela.

A rápida reação de Laura foi fundamental para o bom andamen to de seu tratamento. “Costumo fazer exames anualmente. Mas estava havia um ano e meio sem fazer. Um dia, após a ginástica, senti um nódulo no seio. Fiquei intrigada e no dia seguinte já fui ao médico”, lembra Laura, que vivenciou de perto o câncer de mama da amiga Valéria Baraccat (54), à frente do Instituto Arte de Viver Bem, que promove conscientização e condições de tratamento para mulheres com a doença. “A Vaguerreira. Enfrentou o câncer de mama duas vezes e agora está definitivamente curada”, comemora. Em solidariedade à Laura, Valéria também raspou a cabeça. “O câncer é uma multiplicação de células sem controle. Quanto mais rápida você for, sua chance de cura é maior. Não se pode ter medo de encarar a doença", argumenta. De acordo com o Instituto Brasileiro de Controle do Câncer, a chance de cura da doença pode chegar até 100% se descoberta na fase inicial. “O autoexame é eficaz. Confesso que eu não costumava fazer. Descobri por acaso e não me deixei abater. Um conselho que eu quero dar às pessoas a partir da minha experiência é: se você tem uma suspeita, mínima que seja, não demore para tomar uma atitude”, defende ela, que foi a Israel antes de receber o diagnóstico. “Tinha a viagem programada em fevereiro. Fiz o último exame um dia antes de embarcar, voltei energizada. Foi ótimo. Cheguei, descobri a doença, e já comecei o processo pré-operatório. Em 20 dias, estava na sala de cirurgia.”

A velocidade como as coisas aconteceram não permitiu que Laura compartilhasse publicamente a sua doença antes. “Eu estava trabalhando em uma mostra especializada em casamentos. Não queria que a minha condição se sobressaísse ao meu negócio. Decidi esperar um pouco para assumir o novo look.” Laura decidiu raspar completamente a cabeça quando soube que os fios começariam a cair. “Recebi muito apoio da minha família. Não me acostumo. Mas a beleza não tem apenas uma forma”, comemora, citando o marido, Marcello de Lucca (52) e as filhas, Sophia (18) e Lívia (13).