Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Luciano Szafir e Luhanna Melonni apresentam David

Galã diz que vinda do bebê, 15 anos após Sasha, foi ‘injeção de vida’

CARAS Publicado em 30/09/2014, às 17h18 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

Em Muro Alto, a 54km de Recife, o ator e empresário mostra-se radiante com a mulher e o caçula, de 9 meses. - SELMY YASSUDA/ARTEMISIA FOT
Em Muro Alto, a 54km de Recife, o ator e empresário mostra-se radiante com a mulher e o caçula, de 9 meses. - SELMY YASSUDA/ARTEMISIA FOT

O sorriso de David (9 meses), com covinhas nas bochechas e os quatro primeiros dentinhos nascendo, seguidos de gritos de “papá” ao molhar os pés na piscina natural protegida por arrecifes na praia de Muro Alto, Pernambuco, derretem Luciano Szafir (45). A chegada do menino, da relação de três anos com a cantora Luhanna Melonni (30), pouco mais de 15 anos depois do nascimento da primogênita, Sasha (16), com Xuxa Meneghel (51), é definida pelo ator como uma “injeção de vida”. “Ele é feliz, tem energia absurda. Me deu novo gás. Fora o sentimento de pegá-lo pela primeira vez, indescritível, a mesma emoção de quando minha filha nasceu”, descreve Luciano, em temporada com a família no Nannai Resort & Spa. “A qualidade no atendimento é incrível”, elogia ele. Na entrevista exclusiva para CARAS, em que apresenta o bebê, fica explícita a cumplicidade com a mulher.

Os dois, que se conheceram através de amiga em comum, garantem que foi amor à primeira vista. “Jamais imaginei me apaixonar de novo, querer outro filho, formar família. Estava na fase de: ‘Ah, vou continuar sozinho, tenho Sasha, meu trabalho’. Mas quando vi Luha, disse: ‘Ih, dancei’”, diverte­se Luciano, sob o olhar emocionado da amada. “Aconteceu também algo louco, que nunca tinha sentido: amor! Mas não o achava com perfil de quem ia querer casamento, imaginava que estava feliz, solteiro. Pensava: ‘Me ferrei!’”, lembra Luhanna.

A excelente fase afetiva dá novo ânimo aos projetos de Szafir. Além de estrelar o episódio A Mulher Adúltera, da série da Record, Milagres de Jesus, no ar este ano, também estará na novela Os Dez Mandamentos, em 2015. No teatro, produz Closer, em que também atua sob direção de Andréa Avancini (48). O espetáculo, inspirado em peça homônima que virou filme em 2005, tem estreia prevista até início do próximo ano. Nos negócios, além da bem­sucedida boate Miroir, no Rio, abriu a empresa de TI JJ Solutions.

Como é David?
Szafir – Muito alegre. E enorme para a idade, 12kg em 82cm. Tem peso e altura de uma criança de 1 ano e meio. Daqui a pouco, vai estar lutando jiu­jítsu e surfando com o pai. Meninas, aguardem.

De que forma a chegada dele transformou vocês?
Szafir –  Sempre fui ativo, só que agora tenho mais vontade de fazer coisas. Antes, chegava em casa, deitava, via TV.  Atualmente, vou brincar com ele.
Luhanna – Não há nada que se compare ao sentimento de ser mãe. Cada sorriso do David faz meu coração disparar. 
Szafir – Luhanna é uma mãe fantástica. Não tem essa de estar cansada, escuta o choro dele à noite e já levanta. E ainda tem gás para cuidar de mim.
Luhanna – Quando fiquei grávida, me deu tranquilidade e confiança perceber o grande pai que o Lu já era, via o brilho no olhar dele ao falar da filha. Então, sabia que David seria muito amado.

A experiência com Sasha o ajudou no início?
Szafir – Com o segundo filho, a gente fica menos ansioso. Tento passar esta tranquilidade para a Luhanna. Mas claro que sempre surgem situações novas.

Como ela recebeu David?
Szafir – Desde pequena, Sasha pedia um irmão. Quando contei, vibrou. Eles não têm relação diária porque moram em casas separadas, mas se veem com frequência. Tenho fotos dela pela casa, David vê, faz carinho e fala ‘Tatá’, porque a chamamos de Sassá. Fica boba com o irmão e ele se derrete, abre o berreiro quando ela vai embora.

É difícil educar uma adolescente?
Szafir –  Minha filha tem cabeça incrível, é ajuizada, confio 100%. E a gente conversa muito, ela se abre comigo. Só quero vê-la feliz. Tenho que agradecer aos céus todos os dias, ainda mais agora com o David, a Luhanna. Sou um afortunado.

O que faz a sua relação com Luhanna dar tão certo?
Szafir – Não há fórmula. O que mais me encanta é seu jeito doce e atrapalhado. É engraçada. Gosto do bom humor em uma mulher. Fora que é linda.
Luhanna – Já tinha falado ‘eu te amo’ algumas vezes, mas nunca com a certeza no coração. Sempre pensei que amor era algo para toda a vida. Não buscava isso, estava tranquila. Mas encontrei o Lu.
Szafir - Nos dias de hoje manter uma união é difícil, você tem de querer que dê certo. Tem muita hipocrisia nos casamentos, namoros. E há uma coisa que não sabia que existia e nunca vivi numa relação a dois com tanta intensidade como agora, a cumplicidade. Não tem nada da vida dela que eu não saiba e vice-versa. Temos um relacionamento transparente, se algo incomoda o outro, conversamos.

Cogitam oficializar a união?
Szafir – Vamos oficializar. Só queremos esperar o David crescer para levar as alianças. E quando pedi-la em casamento, não vou avisar. Ela vai chegar em casa, ver o vestido, o maquiador e direi: ‘Se arruma, amorzinho’.
Luhanna – Não pensava que teria vontade. Hoje, quando Lu fala, meu olho brilha.

Szafir é pessoa pública. Isso a assustou em algum momento?
Luhanna –  No início, não. Quando me vi grávida, comecei a pensar. Mas Lu me tranquiliza.
Szafir – Converso para não ligar para coisas que escrevem, falam, sempre vai ter gente que gosta e que não gosta de você. Temos de viver a nossa vida e acabou.

Vocês planejam outro filho?
Szafir – Temos vontade para daqui a um, dois anos. Sou de família com quatro irmãos. A Sassá e o David têm diferença grande de idade, não estão juntos sempre, mas se amam muito. Quero mais um na faixa etária dele.

Szafir, e os seus negócios?
Criei com um sócio uma empresa de aplicativos para smartphones. Lançamos o Votapp, que fala sobre as eleições de uma forma bem-humorada. Tem o My Pet, de seguro saúde para bichos. E o Mister Financeiro. No Brasil, são 57 milhões de endividados e pouca gente com educação sobre economia financeira.