Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Ao lado da esposa, Ricardo Pereira apresenta a sua filha caçula, Chiquinha

Pais também de Vicente, o casal apresentou a filha caçula e disse que vai renovar os votos de casamento em 2015

CARAS Publicado em 29/04/2014, às 16h51 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Ricardo Pereira e família - Liane Neves/Liane Neves Foto grafias
Ricardo Pereira e família - Liane Neves/Liane Neves Foto grafias

Quando o ator Ricardo Pereira (34) olha a caçula, Francisca (6 meses), confessa ainda se surpreender com a semelhança física entre a garotinha e seu primogênito, Vicente (2 anos e meio). As crianças têm o cabelo preto e herdaram os olhos azuis da família da mulher, a marchande Francisca Pinto Ribeiro (30). “Os dois saíram da mesma forma”, diz Ricardo. Ele conta ficar ainda mais perplexo com o sorriso cativante, “marca registrada” dos Pinto Pereira, que a menina começa a esboçar. “Sorrimos demais! É uma característica forte tanto do meu lado quanto da minha esposa”, vibra ele, já sem barba após o fim da novela Joia Rara, em abril.

Com a chegada de Francisca, Ricardo e a mulher, a quem chama de Chica, se desdobram para dar atenção e educar os herdeiros igualmente. Apesar de as tarefas domésticas só terem aumentado, o romantismo não tornou-se coadjuvante da relação de sete anos e meio. “Os filhos trazem alegria, e não a separação. É bom não esquecer que você é namorado antes de ter sido pai. Ou seja, uma coisa não invalida a outra. Pensando assim, tudo caminha bem”, avalia o galã, animado para ter mais herdeiros e festejar a união tão feliz com a amada no Brasil. Em 2010, eles se casaram em Portugal, terra natal de ambos. “Queremos renovar os votos. Deve acontecer em 2015. Prometemos isso aos nossos amigos daqui que não estiveram na primeira celebração”, anuncia Ricardo, em dias de descanso com suas Franciscas e Vicente no Kurotel – Centro Médico de Longevidade e Spa, em Gramado, RS. “Quis estar mais com eles depois do trabalho. Foi renovador para mim, para a minha mulher, que pôde ter um tempo para se cuidar mais, e até para os meninos. Vicente fez natação e a neném, massagens como a shantala”, enumera ele, que, após finalizar a última turnê da peça Um Sonho pra Dois, no Rio, estará envolvido nos próximos meses em uma produção da Globo em Portugal.

– Por que a menina se chama Francisca, como a mãe?

Ricardo – Chica tinha o sonho de ter uma filha com seu nome, que é lindo. Eu a respeitei e decidimos batizá-la assim.

– Também terão um filho chamado Ricardo?

– Acredito que não. Nunca tive esse desejo.

– O bebê é xará da mãe. E a personalidade é de quem?

– Não dá para saber ainda. Com Vicente, tenho uma relação mais próxima porque entende mais... Ela está descobrindo as coisas, mas tem um sorriso que conquista. Uma garotinha é diferente de ter  um menino em casa. É mais tranquila, delicada, não é bruta nas brincadeiras... O bacana de ser pai é, justamente, gerenciar cada fase deles, as suas descobertas, independentemente do sexo do bebê.

– Vocês já têm um casal. Por que querem mais filhos?

– A experiência é gratificante, apesar de exigir muito. Queremos ter uma família bem grande, e ainda somos novos. Chica só tem 30 anos! Mas vamos dar um tempinho até vir o terceiro.

– A rotina mudou muito com a chegada da Francisca?

– Com certeza! A gente está se desdobrando. Enquanto tomo banho com Vicente, a Chica olha a pequena e depois cuida dele... Minha mulher é descolada. Isso é ótimo, é uma mãe maravilhosa. O problema é quando as duas crianças acordam à noite. Quando não estou  trabalhando, ajudo bastante, mas, caso contrário, levanto mesmo com sono e tento dar um auxílio. Quero fazer sempre o meu melhor. Acho importante o pai saber o que acontece com suas crianças.

– Seus filhos nasceram no Brasil. Mas a educação deles é daqui ou de Portugal?

– Já estou há dez anos fora e a Francisca está comigo há sete, no Rio. Vivemos como os cariocas, trocamos experiências com os nossos amigos aqui, mas também com nossa família. É misturado. Não existe uma ciência exata para se educar um filho. É preciso também curtir cada fase com eles, porque tudo passa muito rápido.

– E em que momento conseguem ficar a sós?

– Vicente e Francisca têm horários para comer, dormir, uma rotina, o que é bom para eles, e também para a gente. Normalmente, quando dormem, aproveitamos para jantar fora, ter uma vida social. Ficamos atentos quanto a isso. A família vai se construindo e o amor vai se encaixando junto. Assim, tudo acaba fluindo.