Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS
Bebê / Anuário

ANUÁRIO DO BEBÊ: O primeiro dentinho

O primeiro dentinho do bebê merece ser bem cuidado desde o crescimento até quando eles ficam moles. Confira!

Redação Publicado em 14/09/2010, às 17h24 - Atualizado em 06/10/2010, às 18h21

Anuário do Bebê CARAS - Danielle Hamilton
Anuário do Bebê CARAS - Danielle Hamilton
O crescimento dos dentinhos Assim como a maior parte dos médicos, também os dentistas lembram que a amamentação natural (ou seja, no peito) durante o primeiro ano de vida é essencial na prevenção de muitas das más oclusões. Além da importância afetiva e nutricional, Dr. Marcelo Bönecker explica que a saúde bucal começa com o aleitamento materno porque, além de fornecer o alimento, os movimentos de sucção realizados no peito (exercício muscular também chamado de "movimento de ordenha") são importantes para o crescimento e desenvolvimento da arcada dentária, além de favorecer a respiração nasal. A dentição decídua (ou os dentes de leite) começa a cair por volta dos seis anos de idade, com o aparecimento dos dentes permanentes anteriores no lugar dos antigos. Durante este período, os pais devem ficar atentos ao aparecimento do primeiro molar permanente. Como ele nasce na parte de trás, sem que nenhum dente de leite caia, ele é mais suscetível ao desenvolvimento de cárie. Esta fase de troca de dentes, que vai até cerca dos 11 anos de idade, é chamada de dentição mista, pois estão presentes na boca tanto os dentes de leite como os permanentes. Por volta dos 12 anos, nasce o segundo molar permanente, atrás do primeiro, também sem que nenhum dente de leite caia. Quando não houver mais dentes de leite na boca, temos a dentição permanente, que só será completa por volta dos 18 anos, quando aparecerem na cavidade bucal os terceiros molares permanentes, também conhecidos como dentes do siso ou dentes do juízo. O primeiro dentinho O nascimento dos primeiros dentes deverá ser encarado como um passo importante no desenvolvimento do bebê, pois ele estará se preparando para "cortar" os alimentos e, posteriormente, conseguir mastigar e aumentar a gama de alimentos ingeridos. "É importante que os pais se conscientizem da importância da escovação dos dentinhos de leite, assim como é importantíssimo estimular a mastigação dos bebês para que a oclusão se desenvolva da melhor maneira possível" , alerta a Dra. Lúcia Coutinho. Apesar do surgimento dos primeiros dentinhos apresentarem alguns sintomas, como febre, diarréia, aumento de salivação e ansiedade, os odontologistas garantem que o bebê não está sentindo dor, apenas um incômodo devido à mudança metabólica do organismo. Aconselha-se oferecer ao bebê mordedores esterilizados, ou pelo menos desinfetados, para diminuir a irritação da área. Os que possuem gel podem ser levados à geladeira, o que diminui ainda mais o desconforto. A importância do dente de leite O dente de leite é muito importante para que a criança realize as funções de mastigação, fala, deglutição, além da estética dos dentinhos, que contribuem pra a formação de uma alto imagem positiva da criança. Além disso, são os dentes de leite que orientam a erupção dos dentes permanentes, pois como a cavidade bucal de crianças ainda é pequena para eles, os primeiros dentes guardam espaço para a dentição permanente. Os cuidados com os dentes de leite devem ser os mesmos que os permanentes, ou seja, escová-los ao acordar, após cada refeição e, principalmente, antes de dormir. Evitar o consumo exagerado de alimentos cariogênicos (aqueles que provocam cárie) também ajuda na manutenção de uma boca saudável. "Estimular a mastigação de alimentos duros e secos faz com que o crescimento da face ocorra de maneira harmoniosa e, conseqüentemente, a oclusão da criança se desenvolve da melhor maneira possível", acrescenta a Dra. Lúcia Coutinho. Xi, o dente está mole! Geralmente, os dentes de leite ficam moles na medida em que o dente permanente se desenvolve e se prepara para erupcionar, o que ocorre por volta dos sete ou oito anos de idade. Isso acontece porque os dentes permanentes reabsorvem o cálcio existente nas raízes do dente de leite e, quando estes dentinhos perdem sua raiz, ficam moles e caem. Portanto, não há necessidade de ajudá-los a cair. "Caso o dente fique retido, não cair e o dente permanente começar a nascer, o odontopediatra irá avaliar a necessidade da remoção do dentinho no consultório, com todas as técnicas psicológicas e manobras corretas para que o procedimento ocorra bem, sem gerar traumas na criança", explica a Dra. Lúcia Coutinho. Se sair muito sangue na hora que o dente cair, basta estancar o sangramento comprimindo a área com gaze ou algodão molhado com água fria.