CARAS Brasil
Busca
Facebook CARAS BrasilTwitter CARAS BrasilInstagram CARAS BrasilYoutube CARAS BrasilTiktok CARAS BrasilSpotify CARAS Brasil
Atualidades / Saudade eterna!

Filho de Rita Lee retorna à casa da mãe e faz longo desabafo: ''Sensação de vazio''

Músico João Lee conta como se sentiu ao voltar à casa da mãe, Rita Lee, pela primeira vez após a morte da cantora no dia 08 de maio

Andrea Paiva

por Andrea Paiva

andrea.paiva_colab@caras.com.br

Publicado em 19/05/2023, às 11h16

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
João Lee conta como se sentiu ao voltar à casa da mãe, Rita Lee - Reprodução/Instagram
João Lee conta como se sentiu ao voltar à casa da mãe, Rita Lee - Reprodução/Instagram

Saudade! O músico João Lee (44) usou as redes sociais nesta sexta-feira, 19, para compartilhar com seus seguidores e fãs de Rita Lee (1947 - 2023), que voltou para a casa da mãe após a morte dela.

O herdeiro da artista, que faleceu aos 75 anos no dia 8 de maio, publicou um emocionante texto em seu perfil no Instagram, contando sobre o sentimento ao retornar ao sítio em que a mãe morava com o pai, Roberto de Carvalho (70).

"Anteontem foi o dia em que meu pai e eu resolvemos voltar para a casa onde eles moram. Foi a primeira vez desde que minha mãe partiu e depois de 3 meses morando juntos no meu apartamento. Meu pai foi mais cedo e eu fui um pouco mais tarde. No caminho, fiquei pensando como seria essa primeira vez. Não sabia o que esperar ou o que iria sentir. Para ser sincero, nunca imaginei que um dia viveria isso. É tudo tão estranho. De alguma maneira, sempre enxerguei minha mãe e meu pai meio que como seres eternos e imortais", começou escrevendo o irmão de Beto e Antonio Lee.

"Ao entrar no condomínio, senti um frio enorme na barriga. Fui me aproximando da casa bem devagarzinho, abri o portão, entrei com o carro e…. travei. Fiquei parado dentro do carro por cerca de 10 minutos, sem conseguir sair do lugar. Do nada, fui atropelado por um turbilhão de memórias e sentimentos, tudo meio que em fast forward, bagunçado e ao mesmo tempo. Foi muito maluco. Quando finalmente achei que tinha voltado ao normal, percebi que meus sentidos estavam meio desequilibrados. Minha fala estava meio amarrada e travada e meus ouvidos ficaram mais sensíveis do que o normal. Um micro barulhinho do carro parecia um barulhão. Saí do carro e fiquei em pé olhando para a casa. A casa que passei os últimos dois anos. A casa onde vivi momentos difíceis e momentos tão especiais. Não conseguia dizer nada. Foquei nos meus ouvidos extra sensíveis. Quem sabe ouviria o som da natureza, dos bichos, sei la, algo que me trouxesse calma. No entanto, só consegui ouvir um silêncio absoluto. Viver esse momento é viver um vazio diferente e impossível de explicar em palavras. Só quem passa por isso sabe como é. Não existe um outro vazio que seja tão forte ou que chegue perto".

"Tenho diversas fotos e vídeos de momentos e situações que ela descreve no livro. Não quero dar spoilers. Então, posto jaja. O livro lança dia 22, dia de santa Rita. Vou querer saber o que cada um de vocês achou também. Na medida do possível, vou tentar responder perguntas e tirar algumas dúvidas que tiverem".

"Comecei a andar em direção a casa, entrei com calma, e, de cara, visitei todos os ambientes e cantinhos onde ela costumava ficar. Jantei sentado no lugar onde ela jantava na mesa, assisti TV sentado no seu lugar no sofá, fui ao seu quarto, abracei e cheirei suas roupas, deitei na cama e olhei para as estrelinhas do teto... Enfim, fiz um tour completo por todos os seus cantinhos prediletos. Mas, acabei indo dormir sem ter conseguido o que mais queria: sentir a presença dela aqui comigo. A sensação de vazio ainda é muito persistente e forte".

"Ontem de manhã acordei um pouco melhor. Foi difícil pegar no sono, mas até que dormi bem. Peguei o novo livro, "Outra Autobiografia", da cabeceira e desci para tomar café da manhã. Demorei bastante para ler a primeira autobiografia. Comecei e parei várias vezes. Foi difícil. Agora, acho que já li umas 10 vezes. Irei ler outras milhares. É um livro absolutamente mágico e maravilhoso. Cada vez que leio percebo mais e mais coisas. Quem não leu ainda, não imagina o que está perdendo. Esse último eu queria ler o quanto antes. Meu pai o leu na semana passada, e, quando terminou, me entregou e disse: "Você tem que ler esse livro já. Você vai adorar e entender muitas coisas, principalmente a perspectiva e a forma como ela enxerga tudo o que vivemos nos últimos dois anos." Fiquei, ontem, o dia todo sentado e lendo o livro na mesma cadeira e posição em que ela escreveu suas duas autobiografias. Lendo o livro, além de me trazer conforto e paz, trouxe também aquilo eu mais queria: a sensação de que ela está aqui comigo. Passei o dia todo arrepiado, como se ela estivesse sentada ao meu lado e contando tudo do livro para mim. Eu consegui ouvir a sua voz lendo o texto. Agora, sinto a sua presença em toda a casa. Está dando um quentinho no coração e na alma que estava precisando. Parabéns pelo livro novo, mãe. Escrever um livro assim, passando pelo que estava passando, me faz ter ainda mais orgulho e admiração por você. Te amo para sempre", finalizou João na publicação.

Confira João Lee para a mãe, Rita Lee

Filho de Rita Lee revela que cantora deixou caderno com 400 tuítes inéditos

Recentemente, João Lee, filho de Rita Lee, fez uma revelação que surpreendeu os admiradores da cantora. De acordo com ele, sua mãe deixou cerca de 400 tuítes inéditos. A descoberta foi feita quando ele via arquivos da mãe: “Hoje mesmo eu abri uma caixa e encontrei um caderno em que ela escrevia todos os tuítes dela”.

“Aquelas frases todas de todos os momentos que ela viveu”, comentou o filho após a Missa de Sétimo Dia da mãe para o site Gshow.

João ainda revelou o que pretende fazer com o caderno contendo 400 tuítes escritos à mão. “Estamos conversando sobre uma exposição, filmes, séries, documentário, musical. A quantidade de coisa que vem nos próximos anos é muito grande. Eu, como filho, vou manter ela por perto, e os fãs também", comentou.