Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS
Atualidades / Aceitação!

Cristiana Oliveira relembra rejeição na adolescência por obesidade: "Complexo de inferioridade"

A atriz Cristiana Oliveira confessou que tinha dificuldade em se aceitar quando era adolescente

CARAS Digital Publicado em 23/05/2022, às 19h42

Cristiana Oliveira relembra rejeição na adolescência por obesidade: "Complexo de inferioridade" - Reprodução/Instagram
Cristiana Oliveira relembra rejeição na adolescência por obesidade: "Complexo de inferioridade" - Reprodução/Instagram

Cristiana Oliveira (58) participou do programa Encontro desta segunda-feira, 23, e durante a conversa com Fátima Bernardes (59), a atriz revelou que teve muito dificuldade de se aceitar quando era mais jovem.

A interprete de Juma na primeira versão de Pantanalcontou que por muito tempo ficou objetivando a magreza sem perceber os males que estava causando a si, além disso, ela falou sobre sua autobiografia "Cristiana Oliveira: Versões de Uma Vida", em que fala sobre a busca pela aceitação.

"O livro lembra essas minhas passagens de baixo autoestima para corresponder a expectativa do olhar do outro, sempre querendo seguir padrões e como isso me gerou frustrações e sofrimentos. Quando eu era adolescente tive problema de obesidade, fui bastante rejeitada, fugi de casa para não encontrar meus amigos, era aquela insegurança, um complexo de inferioridade", afirmou.

Cristiana explicou que na época ficava esperando a validação de outras pessoas. "Queria o tempo todo corresponder o que os outros queriam que eu fosse. Diziam que eu tinha um rosto tão bonito, mas que era gordinha e tinha que emagrecer. Cheguei a objetivar minha felicidade para poder ser magra, desde pequena. Minha primeira crítica era de uma professora de balé falar que eu teria que cortar meus ossos, que eu era pesada."

A aceitação

Ainda durante o programa, a atriz revelou que há pouco tempo conseguiu se libertar dos padrões estabelecidos pela sociedade.

"O espelho passou a ser meu inimigo. Não foi só questão estética. Sempre fui insegura e tive que ouvir do outro algo positivo para validar meu caráter. Entre 40 e 50 anos eu falei: 'Parou! Chega. Você já teve seus vícios, anorexia, transformou sua vida em uma coisa só. Eu era uma chata e só falava em emagrecer. Pelo amor de Deus, Cristiana! Para de ser arrogante, nunca vai ser perfeita", completou.