Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS
Atualidades / Desabafo

Carol Nakamura desabafa após o filho adotivo decidir voltar para a mãe biológica

Carol Nakamura se pronuncia sobre a decisão do filho adotivo de voltar para a casa da mãe biológica após viver por três anos com a atriz

CARAS Digital Publicado em 31/05/2022, às 18h32

Carol Nakamura - Foto: Reprodução / Instagram
Carol Nakamura - Foto: Reprodução / Instagram

A atriz Carol Nakamura compartilhou um desabafo nas redes sociais sobre a decisão do filho adotivo, um menino de 12 anos, de voltar para a casa da mãe biológica. Ela contou que tinha a guarda provisória do menino, mas, quando a guarda acabou, ele resolveu voltar a viver com a mãe biológica.

Nas redes sociais, Nakamura desabafou sobre o ocorrido e disse que tentou encontrar uma justificativa para a decisão do menino. “Sempre foi muito amado e ele tem consciência disso. Ele tem uma mãe biológica. Uma criança que cresce sem regra, é muito difícil… Por mais que você mostre os benefícios da educação, alfabetização, ter uma família, casa, oportunidades, o que ele não tinha antes, é complicado e decepcionante. Não estava acreditando que isso ia acontecer”, disse ela. 

Tive que respeitar a vontade dele. Wallace estava safado. Ele já tinha entendido que eu não tinha a guarda dele. Se a gente brigasse ou colocasse de castigo, ou chamasse a atenção, ele queria ir para a casa da mãe. E se a mãe fizesse o mesmo, ele vinha para cá. E nisso, faltando na aula. Não tem outra palavra, ele estava sem vergonha. A gente sempre sentou e conversou demais, mas infelizmente, foi isso. Já chorei, fiquei sem entender, mas não adianta. O que me resta é aceitar. É um assunto que me incomoda muito. Fiquei me perguntando: onde errei, o que fiz de errado?”, declarou. 

Por fim, Carol Nakamura disse: "Eu amo o Wallace, mas ele tem 12 anos. Perante a Justiça, a palavra dele já vale. Não tenho a guarda dele. Me prometeram várias vezes e não me deram. Eu tinha acabado de renovar a lista de material, fiz ele escolher os cadernos. Quando eu era mais nova, não tinha grana, era tudo muito básico. Deixei ele escolher tudo e foi isso… Comprei uniforme… É triste".