Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS
Atualidades / Relato

Após dois anos, filha de Caroline Bittencourt desabafa sobre morte trágica da mãe

Isabelle Bittencourt gravou um relato explicando como foi enfrentar esse momento difícil

CARAS Digital Publicado em 26/04/2021, às 18h25 - Atualizado às 18h37

Filha de Carol Bittencourt desabafa sobre morte da mãe - Reprodução/Instagram
Filha de Carol Bittencourt desabafa sobre morte da mãe - Reprodução/Instagram

Dois anos após a morte trágica de Caroline Bittencourt, a filha da modelo decidiu abrir o coração e falar sobre a perda da mãe. 

No Instagram, Isabella Bittencourt compartilhou um vídeo intitulado "meu relato", e explicou como foi para ela enfrentar esse momento difícil da sua vida. 

"Uma das perguntas que mais recebo no Instagram é sobre como superei e como consegui seguir adiante. Acho muito importante que pessoas que passam por situações parecidas consigam ter relatos de outras pessoas. Então, decidi dar o meu relato", começou a jovem, que lembrou que foi bastante complicado digerir a morte da mãe e explicou que no primeiro momento quis ajudar todas as pessoas que estavam mal. "Eu quis abraçar todo mundo, minha avó que estava mal, meu avô e meu padrasto. Eu queria abraçar todas essas pessoas e trazer para perto. Tomei o papel de quem cuida e não de quem é cuidada. Naquele momento, eu precisava ser cuidada. Acabei tomando esse papel porque eu queria. Só que eu não tinha noção de como isso poderia me prejudicar futuramente", confessou. 

A filha de Carol explicou que depois começou a sua fase rebelde: "A primeira coisa que questionei e deixei de acreditar foi Deus. Para mim, não era possível Deus ter deixado aquilo acontecer comigo. Para mim, a morte era uma forma de me castigar e castigar a minha mãe. Eu achava muito injusto. Naquele momento, eu parei de acreditar em Deus e fui me perdendo. Eu não entendia por que a gente tinha que ter relações interpessoais. Não entendia por que eu tinha que conviver com a minha família e amigos. Por que eu tinha que ir para a faculdade, escola e trabalhar? Qual o objetivo disso tudo?".

Isabella contou que após uma conversa com o pai, Giba Ruiz Vieira, começou a mudar de visão: "Ele falou: 'Você não precisa acreditar em Deus, em Alá ou nesses nomes que as religiões dão. Mas você precisa ter fé. Se você tiver fé de que existe uma força maior, tudo vai fazer sentido'. Quando meu pai falou isso, de que eu tinha que ter fé e acreditar em força maior, passei a falar: 'Tenho que me cuidar'. Fui atrás de psicólogos, psiquiatras e, na sequência, uma ajuda espiritual. Posso dizer que a ajuda espiritual foi importante porque tive crescimento pessoal, não só no meu amadurecimento, mas na questão de ver a vida de outra maneira", lembrou ela. 

Em seguida ela explicou que a ajuda espiritual a ajudou entender a morte da mãe: "Eu passei a entender que a minha mãe não tinha ido embora, ela estava em outro plano onde as pessoas evoluídas estavam. Aquilo não tinha sido um castigo, tinha sido uma coisa boa porque ela já tinha vivido tudo aqui nesse mundo. A partir do momento que eu acreditei nisso a minha vida ficou mais leve. Quando eu lembro da minha mãe, eu lembro de uma pessoa feliz, de uma pessoa que tinha muita luz [...]. Ela viveu tudo que tinha para viver. Ela viajou, casou, o que era o sonho dela, teve uma filha e muito sucesso. Ela teve uma carreira linda, por mais que estivesse acabando a faculdade. Creio que tudo isso são fatores que mostram que ela terminou a missão dela aqui, que estava evoluída espiritualmente e conseguiu ir para um plano superior e isso me conforta hoje em dia [...]", afirmou Isabella.

Caroline faleceu no dia 28 de abril de 2019. Na ocasião a modelo fazia um passeio de lancha com o marido, Jorge Sestini, quando foram surpreendidos por uma tempestade com ventos fortes. O corpo foi encontrado, em São Sebastião, no Litoral Norte de São Paulo.

Confira o vídeo completo: