Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Uso do preservativo barra 70% a 80% das infecções pelo vírus HPV

Patrícia Guedes Rittes (CRM 48444) Publicado em 20/03/2008, às 17h02 - Atualizado em 07/07/2010, às 18h11

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Patrícia Guedes Rittes
Patrícia Guedes Rittes
Condiloma acuminado, mais conhecido pela população como crista de galo, é uma espécie de verruga que aparece em regiões de mucosa. Forma-se em especial nos órgãos genitais masculinos e femininos, mas também na boca. Na mulher, ocorre mais na vagina e na vulva. No homem, na glande e no interior do prepúcio. Homens e mulheres apresentamno ainda no ânus. O condiloma acuminado é causado pelo papiloma vírus humano (HPV), adquirido sobretudo nas relações sexuais, mas também pelo contato com regiões contaminadas e até ao se compartilhar toalhas e roupas íntimas infectadas. Grávidas portadoras de HPV podem transmiti-lo ao feto na gestação ou no parto. Condilomas acuminados são a doença sexualmente transmissível mais comum. De acordo com estimativas de 2001 da Organização Mundial de Saúde (OMS), 9% a 13% da população mundial - ou 630 milhões de pessoas - tinha a doença. O período de incubação do microrganismo vai de dois meses a até 23 anos. Ele não produz sintomas. Dois terços dos infectados desenvolvem a doença. Ela aparece de repente na forma de uma ou de várias verruguinhas. Se o portador não desconfia e procura o médico para se tratar, as verrugas vão crescendo a ponto de, nas situações mais graves, cobrir a cabeça do pênis ou tomar conta da vagina ou do ânus, obstruindo-os e deformando-os. O mais grave, porém, é que alguns tipos de HPV podem levar ao desenvolvimento do câncer de pênis, de ânus e, em especial, de colo de útero. Há cerca de 100 tipos do vírus. Os 18 que mais infectam o ânus e os órgãos genitais são classificados em dois grupos: os de baixo risco e os de risco intermediário ou alto. Classificam-se como de baixo risco os tipos virais 6, 11, 42, 43 e 44, pois não levam ao câncer. Sabe-se que o 6 e o 11, por exemplo, são responsáveis por 90% das verrugas genitais. Já entre os intermediários ou de alto risco para o câncer estão os tipos 16, 18, 31, 35 e outros. O 16 e o 18 respondem por cerca de 70% dos casos de câncer de colo de útero. Felizmente, é possível diminuir o risco de infecção por HPV com algumas medidas básicas. No caso dos homens, basta usar preservativo nas relações sexuais. Mulheres, de seu lado, devem exigir que o parceiro use sempre camisinha - isso é especialmente importante nos novos relacionamentos. Calcula-se que o uso de preservativo consiga barrar 70% a 80% das infecções. Também é fundamental não fazer sexo com desconhecidos. Outra forma de evitar o HPV é a vacina, aprovada recentemente no Brasil. O inconveniente é que, por enquanto, se destina apenas às mulheres de 9 a 26 anos. Portadores de verrugas, enfim, devem consultar um médico dermatologista, ginecologista ou urologista. O tratamento é feito por cauterização com nitrogênio líquido ou produtos químicos. No no caso do homem, porém, não basta se tratar. Por questões humanitárias, ele tem obrigação de avisar a parceira para que procure seu médico ginecologista e faça o papanicolau. Com esse exame é possível se detectar células anormais, pré-cancerígenas. Fazendo a cauterização, ou seja, queimando tais células se evita, claro, o desenvolvimento do câncer de colo de útero no futuro. Homens e mulheres que tiveram condiloma acuminado no ânus também devem fazer check-up médico periodicamente, pelo fato de poderem desenvolver o câncer.