Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Um presente tanto pode reanimar como destruir os relacionamentos

por <b>Leniza Castello Branco</b>* Publicado em 24/08/2009, às 13h57

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Dar e receber presentes não são rituais apenas ligados ao comércio. Muito antes de existirem lojas, shopping centers e consumismo as pessoas trocavam presentes para comemorar datas como o fim do ano, aniversários, nascimentos e casamentos. A tradição já existia quando Jesus nasceu: como diz a Bíblia, reis magos vieram do Oriente trazendo para ele ouro, incenso e mirra. Esses presentes tinham um significado simbólico; o ouro representava a realeza, a mirra a pureza e o incenso a fé. Hoje damos outros presentes, que também possuem significados simbólicos. Mas esse simbolismo pode transformar o desejo de agradar em decepções, ressentimentos e brigas entre os casais. Por isso, é necessário ter cuidado na hora de presentear. Se alguém espera ganhar uma joia erecebe um CD, por exemplo, fica decepcionado, pois se sente desvalorizado. Se compra um presente muito especial, esperando que o seu par retribua da mesma forma, e isso não acontece, outra decepção. Com a chegada de uma data especial, a mulher, principalmente, costuma dar dicas do que gostaria de receber. E porque deu a dica, se não ganha o que sugeriu, fica frustrada. Depois, sem coragem de dizer que não gostou do presente, queixa-se de não ser amada ou valorizada. Não é o presente que decepciona, mas seu simbolismo; neste caso, o preço, que sugere que o outro não a valorizou. Esquecer uma data importante para o casal, então, nada pior! Quem não recebe nada se sente ignorado, esquecido. Como consertar o estrago? Sem mentir, convidar o decepcionado para um passeio especial, fazer uma declaração de amor e, no dia seguinte, comprar o presente esperado. Já ouvi no consultório várias histórias em que a prova de que se era amado era esperada na forma de um presente. Não recebê-lo significou o fim do relacionamento, que, obviamente, já não estava muito firme. Assim, vale a pena aproveitar uma data e se preocupar em dar um presente especial, escolhido com carinho. Quem dá um presente está dizendo algo a quem recebe. "Eu gosto de você"; "Você é muito valioso"; ou apenas "Quero te agradar". Depois de uma briga, um presente pode significar "Me perdoe". Oferecido quando o outro está triste ou carente, tem o valor de um "Eu te amo". O gesto vale mais que as palavras. Mais que isso, pois além da mensagem há o simbolismo do objeto. Dar um anel representa o desejo de se unir, é uma pequena algema. Se uma mulher ganha do marido uma lingerie, sabe o que significa; se ganha um fogão, também. Um presente feito a mão, por sua vez, simboliza um cuidado e um carinho que um objeto comprado não tem. Tricotar uma blusa ou cachecol, pintar um quadro, fazer um bolo, embora não seja caro, resulta nos presentes mais valiosos que existem, pois foram feitos com amor. É fato que o comércio se aproveita da força do símbolo para vender, mas não foi isso que motivou a alegria de dar e receber presentes. Mesmo que não se ganhasse dinheiro com isso, as pessoas continuariam dando presentes, pois são expressões do que sentem. Não vivemos sem os rituais, e se eles não fossem necessários para nosso crescimento psíquico não resistiriam por séculos. Então, eu diria aos casais que aproveitem esse recurso e os momentos apropriados para reafirmar ou reparar e acrescentar mais carinho e amor a suas relações.