Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Sting no Brasil

Sol e show de Dado Villa-Lobos

Redação Publicado em 05/12/2009, às 10h14

De bermuda e sem camisa, Sting caminha na praia com seu visual barbudo. - CARLOS ZAMBROTTI/AG. NEWS E RODRIGO DOS ANJOS/PHOTO RIO NEWS
De bermuda e sem camisa, Sting caminha na praia com seu visual barbudo. - CARLOS ZAMBROTTI/AG. NEWS E RODRIGO DOS ANJOS/PHOTO RIO NEWS
Após se apresentar em São Paulo, o cantor Sting (58) esticou a estada no país seguindo para o Rio. Durante quase uma semana, o ex-líder da banda The Police fez programas típicos de um carioca. Com visual barbudo, caminhou nas areias de Ipanema e bebeu água-de-coco. "No Brasil, quase sempre está quente, independentemente de ser inverno ou verão. No hemisfério norte, tem dias em que quase hibernamos, como animais", diverte-se ele, que esteve pela última vez no país em 2007. Em uma das noites na cidade, o britânico assistiu de uma área vip do Bar Londra ao show do grupo Cabeza de Panda, com participação de Dado Villa-Lobos (44), ex-guitarrista do Legião Urbana. No repertório, rocks britânicos. Fã declarado de músicos como Gilberto Gil (67), Caetano Veloso (67) e Heitor Villa-Lobos (1887-1959), tio-avô de Dado, Sting disse que o Brasil é um país empolgante. "Filosofia, religião, problemas sociais, educação, meio ambiente, são muitas coisas diferentes acontecendo ao mesmo tempo. A arte e a música brasileira refletem isso", afirmou ele. Conhecido por seu engajamento em questões ambientais, o astro também participou de palestras e debates sobre o assunto durante a permanência no país. Uma das conversas foi com o cacique Raoni (70), líder da tribo dos caiapós. Os dois se conheceram em 1989, no 1º Encontro dos Povos Indígenas do Xingu, no Pará. Nesse mesmo ano, Sting fundou com a mulher, Trudie Styler (54), a Rainforest Foundation, criada para ajudar a salvar florestas tropicais e populações indígenas. "Há 20 anos, quando visitei o Xingu, tive a intuição de que a região era importante para o mundo. Mas era só intuição. Agora há informações científicas que embasam isso", disse ele.