Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

SIMONAL REVIVE NO PALCO

ASTROS DA MPB EM TRIBUTO AO REI DO SUINGUE

Redação Publicado em 18/08/2009, às 16h53 - Atualizado às 17h09

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Grande nome da música brasileira nos anos 1960 e 70, Wilson Simonal (1938-2000) ganhou homenagem bem fiel ao seu espírito irreverente e festeiro na gravação do DVD Baile do Simonal - Uma Noite de Alegria, Balanço e Suingue, no Vivo Rio. O cantor, que caiu no ostracismo na década de 1980 após ter sido acusado de colaborar com o regime militar, vem sendo relembrado na trilha do sucesso do documentário Ninguém Sabe o Duro Que Dei, de Claudio Manoel (50), Micael Langer (33) e Calvito Leal (30). Dono de interpretação diferenciada, que inspirou o apelido de Rei do Suingue, o estilo de Simonal deu o tom da performance dos cantores que se revezaram no palco da casa de espetáculos carioca. "Ele conseguia ser extremamente popular e tocar o coração de todos. O poder do menino pobre que cresceu e pôde ser alguém na vida através de seu talento é algo fantástico. Essa diversidade de hoje é realmente a cara do meu pai", emocionou-se Simoninha (45), que organizou o show ao lado do irmão, Max de Castro (36). Amiga da família, Maria Rita (31) definiu Simonal como um pioneiro do pop. "Acho impressionante o carisma que ele tinha no palco, dominava a plateia, interagia com ela de uma forma que não existia antes. Além da preocupação com a sofisticação do som. Ele era realmente fera", desmanchou-se a cantora, que vestiu longo azul para interpretar o sucesso Que Maravilha. "A roupa tem tudo a ver com a música, passa alegria e movimento", comparou. Com visual mais modernoso, Fernanda Abreu (47) caprichou na ginga carioca durante A Tonga da Mironga do Kabuletê. "Como ele veio da bossa nova, estabeleceu a relação da música negra americana com a MPB", analisou ela, ao lado da apresentadora Maria Paula (38), que foi prestigiar o "baile". No palco, Caetano Veloso (66) relembrou sua história com o homenageado. "Ele foi o primeiro artista fora da minha família a gravar uma música minha, De Manhã, em 1965", orgulhou-se o baiano que, ao cantar Remelexo, esqueceu a letra. "A canção é minha, a letra é minha e o Simonal lançou numa gravação espetacular. Ele cantou tão bem e eu, tão mal", lamuriou-se. Filho de Caetano, Moreno Veloso (36) também participou do espetáculo com a Orquestra Imperial. Com as vocalistas Nina Becker (35) e Thalma de Freitas (35), ele reviveu Terezinha. "Ninguém precisa ensinar a gente a gostar das grandes figuras da música, se aprende naturalmente", disse Moreno. Muito emocionada, Sandra de Sá (53) revelou que atendeu a um pedido de Simoninha. "Ele disse que eu poderia cantar o que quisesse, mas gostaria que fosse Balanço Zona Sul. Tenho uma relação emocional forte com Simonal, fui a última pessoa a gravar com ele antes de sua morte. Ele era verdadeiro, isso é o que vale", comoveu-se Sandra.